Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

28 de junho de 2017

Decreto regulamenta parcerias com organizações da sociedade civil


Foto: Joel Vargas/PMPA

Marchezan destacou a modernização nas relações do Município com as entidades Marchezan destacou a modernização nas relações do Município com as entidades
Para enfrentar a mais grave crise financeira da história de Porto Alegre, a atual gestão municipal tem apostado nas parcerias. Como forma de avançar de maneira responsável e sustentável, o prefeito Nelson Marchezan Júnior assinou na tarde desta terça-feira, 27, na escola de Educação Infantil Marieta Paixão Araújo, o decreto que regulamenta a Lei Federal n° 13.019, em vigor desde 1° de janeiro 2017. A partir desta medida, a Prefeitura de Porto Alegre e as organizações da sociedade civil sem fins lucrativos poderão firmar acordos para a obtenção de finalidades de interesse público e recíproco. Na prática, as parcerias poderão ajudar a cidade a ter melhores serviços oferecidos à população.
A lei federal é conhecida como o marco regulatório das organizações da sociedade civil. As organizações da sociedade civil são entidades privadas sem fins lucrativos, ou seja, que desenvolvem ações de interesse público e não têm o lucro como objetivo. Tais organizações atuam na promoção e defesa de direitos e em atividades nas áreas de direitos humanos, saúde, educação, cultura, ciência e tecnologia.
“Este é o marco regulatório que permite contratualizar com sociedade civil, que permite que a sociedade nos indique e nos cobre o que eles querem para suas comunidades. Assim, a prefeitura vai poder entregar serviços com qualidade para a sociedade", afirmou o secretário-adjunto da Cultura, Eduardo Wolf. Ele ainda destacou que a sociedade poderá propor políticas públicas, aprofundando ainda mais a participação popular nas ações públicas.
As parcerias entre o Estado e as organizações da sociedade civil qualificam as políticas públicas, aproximando-as das pessoas e das realidades locais e possibilitando a solução de problemas sociais específicos de forma criativa e inovadora.
"Vamos aplicar na prática essa modernização nas nossas relações com as entidades. Estamos trabalhando, em parceria com profissionais do Sescon, para dar mais transparência, tranquilidade para a regularização jurídica nas prestações de contas de entidades que têm pendências, especialmente aquelas ligadas à Fasc. Nós, da estrutura política, só conseguimos fazer mudanças se a sociedade organizada nos ajudar. Políticos só podem fazer diferença se atingirem a vida real das pessoas e estamos engajados neste processo. Assim como vocês aqui da escola, que fazem a diferença na vida das crianças diariamente", disse o prefeito Marchezan.
A Prefeitura mantém controle total do processo: define comissão de seleção, monitoramento e avaliação dos termos. Define, ainda, a abertura de editais, os chamamentos públicos, aplica penalidades previstas nos editais, decide sobre a prestação de contas, prazos, rescisão, termos de colaboração.
O Termo de Fomento e o Termo de Colaboração são os novos instrumentos jurídicos para a celebração de parcerias com as organizações da sociedade civil, em substituição aos convênios. Regulamenta convênios de forma organizada, melhorando a relação do poder público com as organizações.
O secretário da Educação, Adriano Naves de Brito também participou do ato de assinatura do decreto: "Prazer estar aqui, neste prédio que é da prefeitura e tem a gestão da sociedade civil. Temos 226 entidades que atendem desse modo, conveniadas. E temos a tarefa de fazer essa transição para o novo marco regulatório. A parceria nesta escola nasceu do esforço de associação de moradores, o que demonstra como essa parceria é válida".
Segurança jurídica - Na prática, estas parcerias irão trazer inúmeras vantagens já que possibilitarão mais transparência, maior controle e menos burocracia.  É um instrumento que irá oferecer segurança jurídica para todos os envolvidos, possibilitando, ainda, programas de longo prazo de duração, que, inclusive, poderão ser ajustados ao longo da vigência.  Além disto, a própria sociedade poderá propor políticas públicas. Áreas como saúde, cultura, desenvolvimento social e educação poderão ter parcerias com as organizações sem fins lucrativos.
São três as formas de parceria permitidas pelo decreto:
1. Termo de colaboração – instrumento pelo qual são feitas parcerias propostas pelo município com organizações da sociedade civil para finalidades de interesses recíprocos que envolvam transferência de recursos.
2. Termo de fomento – são formalizadas parcerias propostas pelas organizações da sociedade civil que envolvam recursos financeiros. Aqui, a própria sociedade civil pode provocar o poder público sugerindo parcerias a serem concretizadas.
3. Acordo de cooperação – são firmadas parcerias sem envolver recursos financeiros.



/gestao

Texto de: Claiton Magalhães
Edição de: Paulo Cesar Pinheiro Flores dos Santos
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.