Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

30 de março de 2013

Mudanças no site do MinC !

Bom dia pessoal.

Mudanças no site do MinC !

Só para avisar a todos que o site do Ministério da Cultura sofreu alteração
e está com um novo layout.


A partir de agora, para cadastrar projetos na Lei Rouanet não existe mais
aquele botão azul enorme indicando SALICWEB. Para acessar a área de
cadastro existe um pequeno ícone branco na parte superior esquerda. No alto
da página, existe uma foto de abertura do site, e no canto sobre a foto
você
identifica uma tira com quatro icones brancos. O primeiro é uma lupa, e o
segundo é o ícone que da acesso ao sistema SALICWEB.

A mudança no site é o primeiro passo para implantar o novo modulo de
prestação de contas que neste ano passará a ser feito também na internet.
Logo, logo trago mais informações sobre as novidades.

Boa páscoa a todos.


Marcelo Miguel

28 de março de 2013

Prefeitura e Estado estudam construção de centro de eventos



Foto: Ricardo Giusti/PMPA
Melo destacou a importância do Centro para fortalecer o turismo de eventos
Melo destacou a importância do Centro para fortalecer o turismo de eventos
O vice-prefeito Sebastião Melo recebeu nesta quinta-feira, 28, a secretária estadual do Turismo, Abgail Pereira, para discutir a construção de um centro de convenções e feiras em Porto Alegre. O Governo do Estado busca um terreno com cerca de 6 hectares para realizar a obra. “Nós precisamos viabilizar esse centro o mais rápido possível. Hoje, Porto Alegre tende a perder para outras Capitais, especialmente Curitiba, grandes eventos nacionais e internacionais”, disse Abgail.
Nas próximas semanas, as secretarias municipais de Urbanismo e Meio Ambiente vão analisar as áreas da Prefeitura de Porto Alegre com potencial para receber o centro de eventos. Depois, equipes técnicas do município e do Estado devem realizar visitas para escolher o melhor local. O conceito arquitetônico está definido. O projeto prevê dois auditórios, salas de apoio, pavilhão de exposições, praça de alimentação e capacidade para 10 mil pessoas. Deverá ter acessibilidade universal, palco para espetáculos teatrais e estrutura ecológica com utilização de fontes de energia alternativas.
Quando o terreno for escolhido, será elaborado o projeto arquitetônico e será definido como serão viabilizados os recursos para a obra. “É a oportunidade que a gente tem de construir um centro para grandes eventos e feiras com a força do Governo do Estado, o que facilita todo o processo inclusive na busca de recursos federais”, afirmou Sebastião Melo. O vice-prefeito também destacou a importância do empreendimento para fortalecer o turismo de eventos na Capital Gaúcha.
Também participaram da reunião os secretários municipais do Turismo Luiz Fernando Moraes e o adjunto Pablo Mendes Ribeiro, da Gestão Urbano Schimitt e o ajunto Ronaldo Garcia, da Fazenda Roberto Bertoncini, do Meio Ambiente Luiz Fernando Záchia e técnicos da Secretaria de Estado do Turismo.


/turismo
Texto de: Melina Fernandes
Edição de: Caren Mello
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

27 de março de 2013

Laboratório de Criação-DANÇA

Centro de Dança




Dia 28 de março, Quinta-Feira, às 15h até 18h.
Sala 209/Usina do Gasômetro/POA/RS
Entrada Franca
Informações/contato: michelcapeletti@hotmail.com

O Laboratório de Criação terá seu foco na relação entre a improvisação e as técnicas somáticas (com foco na Técnica Alexander). O atelier pretende dividir algumas questões trabalhadas por Michel Capeletti dentro da residência "Corpo como cruzamento de intensidades" realizada atualmente em São Paulo e que ganhou a Bolsa Interações Estéticas 21012 da FUNARTE. Alguns procedimentos serão experimentados pelos artistas participantes da oficina que terão a oportunidade de discutir, criar e desenvolver a partir de questões provenientes das técnica somáticas que vem sendo amplamente pesquisadas por profissionais de dança, teatro e performance por seu potencial no treinamento técnico, na construção da expressividade e nos processos de criação e ensino. O Laboratório já teve três edições, em outros formatos, nos projetos Instruções para abrir o corpo em caso de emergência, Instruções] desdobramentos (em parceria com as bailarinas Alexandra Dias e Tatiana da Rosa) e na Bolsa FUNARTE de Residências em Artes Cênicas 2010.

Michel Capeletti é bailarino com atuação em Porto Alegre e Buenos Aires. Ganhou a Bolsa Interações Estéticas 2012 da FUNARTE, o Edital de Intercâmbio e Difusão Cultural 2012 do MINC e a Bolsa de Residências em Artes Cênicas 2010 da FUNARTE para investigar a relação entre criação cênica pelo movimento e as técnicas somáticas fazendo parte atualmente da formação para professores em Técnica Alexander na Escuela de Técnica Alexander de Buenos Aires. Estudou com Merran Poplar, Irion Nolasco, Tatiana da Rosa, Tamara Cubas, Marina Giancaspro, Jimena García Blaya, Esther Weitzman, Jussara Miranda entre outros. Em Porto Alegre atuou em espetáculos e performances como movimentomínimomovimentomáximo (2004), Fato (2005), Era uma vez, não era uma vez... (2005), Instruções para abrir o corpo em caso de emergência (2007), Pequenas Ações Terroristas (2008), o projeto Instruções]desdobramentos (2008), Historias do Corpo (2010) e o solo Sonny (2012).


Abertura do Ciclo Flamenco Algo Más


O Tablado Andaluz tráz a Porto Alegre para abertura do Ciclo Flamenco ALGO MÁS... 2013 grande atrações internacionais: CARMEN, LA TALEGONA (Córdoba /Espanha) acompanhada pelo cantaor espanhol JESULE de Utrera

Onde? Tablado Andaluz
Quando? Dias 28, 29 e 30 de Março, as 21h
Quanto? Jantar + Show
R$ 90,00 por pessoa
R$ 300,00 mesa para 04 pessoas
Cardápio
-Tapas / Entradas tipicas
-Buffet com 04 tipos de Paella, incluindo Paella de Bacalao, Especial de Páscoa
-Buffet com 10 tipos de Saladas
*Bebidas e sobremesas não estão inlcuidas nos valores acima.

Episódio X: Partida

23 e 24 de março
20 h
Sala 209 da USINA DO GASÔMETRO

Coreografia criada na Residência OUTRAS DANÇAS da FUNARTE em novembro de 2012. Esse projeto ocorreu na cidade de Porto Alegre com intercâmbio entre Brasil, Argentina e Uruguai. A direção foi feita pela bailarina e coreográfa uruguaia Adriana Belbussi Figueroa e criação de Luciana Hoppe e Junior Alceu Grandi.

“Uma palavra de advertência: turistas e vagabundos são metáforas da vida contemporânea. Uma pessoa pode ser (e frequentemente o é) um turista ou um vagabundo sem jamais viajar fisicamente para longe (...). Tendo isso em mente, sugiro-lhes que, em nossa sociedade pós-moderna, estamos todos- de uma forma ou de outra, no corpo ou no espírito, aqui e agora, ou no futuro antecipado, de bom ou de mau grado- em movimento, nenhum de nós pode estar certo/a de que adquiriu o direito a algum lugar uma vez por todas, e ninguém acha que sua permanência, para sempre, é uma perspectiva provável. Onde quer que nos aconteça parar estamos, pelo menos, parcialmente deslocados ou fora do lugar. Mas aqui termina o que há de comum na nossa situação e começam as diferenças.” Zygmunt Bauman, O Mal- Estar da Pós-Modernidade (p.118).

Ficha Técnica:
Bailarinos criadores: Luciana Hoppe e Junior Alceu Grandi
Trilha sonora: Alexandre Missel
Direção: Adriana Belbussi Figueroa
Figurino: Luciana Hoppe e Junior Alceu Grandi
Fotografia: Marcelo Cabrera (foto tirada no OUTRAS DANÇAS).
APOIO: OUTRAS DANÇAS, FUNARTE, Coletivo de Dança SALA 209, Eduardo Severino Cia de Dança, Usina das Artes, Usina do Gasômetro, Lucida Cultura.

Multipalco Theatro São Pedro entrega à comunidade nova etapa no Dia Mundial do Teatro


Usina de Talentos
Com a presença do Secretário da Cultura, Luiz Antônio de Assis Brasil, da presidente da Fundação Theatro São Pedro, Eva Sopher, e do coordenador do Multipalco, José Roberto Diniz de Morae o dia 27 de março – Dia Mundial do Teatro – foi celebrado com mais uma etapa entregue à comunidade: o Centro Cultural Refap, composto por quatro salas de estudos e uma grande sala para workshops e oficinas. A data tem sido um referencial para a AATSP que, a cada ano, assinala a evolução da obra, com a entrega de mais uma nova etapa para a comunidade de nosso Estado, edificada ao lado da centenária casa de espetáculos.
A escola de música Usina de Talentos se apresentou no Mulipalco TSP
Na ocasião, a escola de música Usina de Talentos – que ocupa as salas do Multipalco desde o início do ano, fez uma breve apresentação. A escola integra o projeto conjunto da Associação Sol Maior (mantida pelo Instituto Gerdau), em parceria com a AATSP, e atende crianças e jovens em condições de vulnerabilidade social, entre 7 e 14 anos, oriundos de escolas estaduais e municipais de diversas regiões de Porto Alegre. O evento conta com a presença de 20 alunos, que apresentam peças corais, brasileira e internacional.
Texto e fotos: Diego da Maia

O Sistema de Informação Cultural de Porto Alegre (SiC-PoA)

O Sistema de Informação Cultural de Porto Alegre (SiC-PoA) pretende reunir e disponibilizar, neste portal, um catálogo amplo da cultura do Município, abrangendo desde os profissionais e grupos até os espaços onde estes se expressam; das escolas de arte às empresas e demais entidades do setor. Esses dados, visíveis sobre o mapa da cidade, serão úteis não apenas para orientar o governo no planejamento e avaliação de suas políticas culturais, mas permitirão também à sociedade um conhecimento mais profundo de seu próprio potencial e seus desafios.”Sua participação é fundamental. 

CLIQUE AQUI PARA ENTRAR

Concorrente do Prêmio Açorianos será desclassificado

VIA ZERO HORA

Diego Lopes é indicado da categoria compositor pop por álbum que apresenta semelhanças com músicas da banda americana Ben Folds Five


Concorrente do Prêmio Açorianos será desclassificado Luis Fernando Martins/Divulgação
Integrante da banda Acústicos & Valvulados, Diego Lopes concorre com trabalho solo Foto: Luis Fernando Martins / Divulgação
O músico Diego Lopes será desclassificado do Prêmio Açorianos de Música. Segundo o coordenador de música da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Jorge André Brittes, manifestaram-se pela exclusão do participante três dos cinco jurados da categoria pop, na qual Lopes concorria como compositor pelo disco Diego Lopes & Bebop.
Originalidade foi questionada com base em semelhanças de músicas, letras e títulos das canções dos dois autores.
Na edição do último sábado, Zero Hora publicou reportagem que apontava semelhanças entre o disco de Lopes e músicas do grupo norte-americano Ben Folds Five. Segundo o professor titular de Composição Musical da UFRGS, Celso Loureiro Chaves, há "semelhanças e identidades de melodia, forma, estrutura, harmonia, arranjo e letras/ideias poéticas entre as canções". O trabalho ainda apresentava correspondência em algumas letras e títulos de músicas.
O anúncio oficial da desclassificação deverá ser feito nesta quarta-feira. Lopes, que é baixista da banda Acústicos & Valvulados e concorria por seu trabalho solo, publicou um comunicado no Facebook em que questiona se existe alguma fórmula que ainda não tenha sido utilizada na música pop. “Nunca neguei que minha maior influência para esse trabalho era a banda Ben Folds Five”, escreveu. “Numa análise [...] de nosso material de apoio, pode-se constatar que tal influência sempre pautou meu trabalho”, completou.
Na segunda-feira, o corpo de jurados da categoria pop, formado pelos jornalistas Sara Bodowsky e Caroline da Silva, pelos comunicadores Piá, Paulo Inchauspe e Nilton Fernando, foi contatado oficialmente pelo Açorianos para que se manifestasse a respeito de possíveis semelhanças entre a obra do gaúcho e o trabalho do grupo norte-americano. De posse dos pareceres dos avaliadores, a organização do prêmio decidiu pela desclassificação.
Compare as canções de Diego Lopes e Ben Folds.
Segundo o coordenador de música da prefeitura da Capital, não haverá substituição de Lopes na categoria do Açorianos, permanecendo como concorrentes os compositores Branco (por O Deus do Terceiro Milênio, do Grupo R.P.3.), JJ (por Nômade, da Banda Stereosound), Luciano Albo (por A Ordem Natural Das Coisas) e Tiago Ferraz (por Estado Das Coisas, da Estado Das Coisas). A cerimônia de premiação está marcada para 24 de abril, às 20h30min, no Auditório Araújo Vianna.
Ouça abaixo as músicas Polca, de Diego Lopes & Bebop, e The Last Polka, de Ben Folds Five:
Polca, de Diego Lopes & Bebop

26 de março de 2013

Escolas da Ugespa se desfiliam da Aecpars


Foi divulgado esta semana pela União das Escolas do Grupo Especial de Porto Alegre (UGESPA) o documento assinado no último fim de semana pelas agremiações fundadoras formalizando a desfiliação da AECPARS. A única das escolas fundadoras que não assinou (ao menos por enquanto) foi a Academia de Samba Praiana, que no Carnaval de 2014 estará no Grupo Intermediário A.

Com isso, o Carnaval de Porto Alegre passa a ter duas entidades representando independentemente os interesses das escolas. Embora a UGESPA tenha sido fundada no ano passado, o Carnaval de 2013 estava vinculado à AECPARS.

Mas, embora independentes, ambas as entidades, no entanto, deverão coexistir em parceria, já que o sobe e desce, por exemplo, faz com que escolas filiadas à AECPARS desfilem pelo Grupo Especial e escolas fundadoras da Ugespa desfilem por grupo ascendente. Certamente, muitas fórmulas e reuniões ainda estão por vir para sabermos como fica tudo para o Carnaval de 2014.

Aliás, confira abaixo a Executiva da Ugespa:
Presidente: Juarez Gutierres
Vice: Luiz Carlos Amorim (Imperadores do Samba)
Tesoureiro: Robson Dias, o Preto (Estado Maior da Restinga)
Secretáaria: Rita Bittencourt (Acadêmicos de Gravataí)

Espetáculo Teatral Vida Alheia

Estamos entrando em cartaz com o espetáculo teatral Vida Alheia no teatro de Câmara Túlio Piva no mês de Abril, todas as quartas-feira as 20 horas com entrada FRANCA pelo projeto "Novas Caras".

Uma adaptação de cinco contos de Artur Azevedo.


Att,


Gabriel Fontoura Motta
51 30232173
51 81608333



VIDA ALHEIA

Breves histórias de gente comum, num flagrante do cotidiano do Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX que, Artur Azevedo soube como ninguém, transpor para os livros e, principalmente, para os palcos, o que observava nas ruas e nas casas, numa linguagem simples, mas sempre acrescentando uma pitada de sua veia satírica.

Quatro atores revezam-se nos diversos personagens de Artur Azevedo, que transitam pelo palco contando suas histórias, às vezes trágicas, outras nem tanto, mas sempre cômicas. Os figurinos e adereços demonstram claramente os usos e costumes da época. A trilha sonora é composta somente de trechos de musicas brasileiras, chorinho, xaxado, etc.

Nosso objetivo é lembrar quem foi e o que representou e ainda representa, para a nossa dramaturgia, Artur Azevedo. Que tanto fez pelo teatro nacional e pelos nossos artistas e suas obras tão pouco ou nada, sendo montadas, apesar de servirem como conteúdo para o ensino da língua portuguesa.


FICHA TÉCNICA:

Elenco:  Ana Paula Aguiar – Gabriel Motta – Kariny Schoenfeldt – Julio Lhenardi

           Dramaturgia: Valéria Di Pietro                  Direção: Gabriel Motta                          
                             Duração: 45min
                                         Realização:
15 anos de Entretenimento e Cultura
Informações e Agendamentos:
(51) 3395 5482 – 9203 3487 – 8178 4582  -  Porto Alegre/RS


LANÇAMENTO DO OBSERVATÓRIO DA CULTURA

Aconteceu ontem, às 18h, no Auditório do Mercado Público (Sala 10, 2º. pavimento), a Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, através do Observatório de Cultura, realizou o lançamento do Sistema de Informação Cultural de Porto Alegre (SiC-POA), base de dados geo-referenciada sobre a cultura do Município, alimentada colaborativamente pelos agentes culturais da cidade e compartilhada pela internet.
Guimarães Presidente  Conselho Municipal de Cultura 

241 Anos de Porto Alegre


via blog  ROGERIO BASTOS

Um dos integrantes da tropa militarizada de João de Magalhães, Jerônimo de Orneias Menezes e Vasconcelos, natural da Ilha da Madeira, fixou residência no Morro de Santana, antes de 1732. Em 05/11/1740, obtinha ele posse definitiva de suas terras. Sua fazenda aparece nos livros eclesiásticos com o nome de "Sítio do Dorneles".
O sítio, por ocasião da tomada das Missões e da entrada dos açorianos, que chegavam pela Lagoa dos Patos, tomou importância como meio caminho entre Rio Grande e as Missões. Ficou sendo lugar de pouso e espera para a gente açoriana que se destinava a povoar a região missioneira.
Desde 1753, o Sítio de Dorneles aparece com o nome de "Porto do Dorneles". Já a partir de 1757, recebe a denominação de "Porto dos Casais". Os açorianos não se destinavam a fundar Porto Alegre, a maioria rumou para Santo Amaro e Rio Pardo. Com a chegada de José Marcelino de Figueiredo, em 1769, a situação dos poucos açorianos do Porto dos Casais principiava a melhorar, pois iniciava-se a fundação de um povoado, com a construção da Ermida de São Francisco das Chagas.
O Rincão de São Francisco foi desapropriado. A pedido do governador José Marcelino de Figueiredo, o Bispo do Rio de Janeiro, D. Frei António do Desterro, criou, em 26/03/1772, a freguesia de São Francisco, orago que em 18/01/1773 seria mudado para Nossa Senhora Madre de Deus de Porto Alegre, talvez em homenagem à princesa D. Maria, filha de D. José I, e à famosa rainha D. Maria I, mãe de D. João VI.
A povoação progredia com descendentes açorianos, emigrados sacramentinos e, sobretudo, com 60 paulistas trazidos pelo Gen. Gomes Freire de Andrade. Em 24/07/1773, o governador Marcelino transferiu de Viamão para cá a sede da Capital da Província. Em 1780, a freguesia contava com 1.200 habitantes. Em 19/09/1807, com a criação da Capitania Geral, Porto Alegre passou a ser sua capital, sendo elevada à categoria de vila em 23/08/1808.

FESTA SATED/RS Apoio: IEACEN/IEACINE/SEDAC - DIA MUNDIAL DO TEATRO, NACIONAL DO CIRCO e CINEMA GAÚCHO

FESTA SATED/RS
DIA MUNDIAL DO TEATRO, NACIONAL DO CIRCO e CINEMA GAÚCHO
SHOW DA GRAFORREIA XILARMÔNICA

Programação:
22h – Ondina e Tufoni (Circo Teatro)
22h10min – DJ LuciFer
23h – Graforreia Xilarmônica (Banda de Rock)
12h – Performance do Grupo Contraqueda (Circo)
12h10min – DJ Biel
1h10min – Strip Artístico com Aline Karpinski (Dança)
1h20min – DJ LuciFer até o fim da festa

Exibição de curtas premiados pelo edital IECINE

Dia 27 de março na Casa de Teatro de Porto Alegre 
Rua Garibaldi, 853 - Independência
Início 22 horas

Ingressos:
R$ 10 estudantes e classe artística
R$ 15 público em geral
Gratuito para Associados SATED-RS em dia 2013.
Parte da renda será destinada a Casa do Artista Riograndense (www.casadoartista.org)

Realização: SATED-RS
Apoio: IEACEN, IECINE e SEDAC



SATED/RS - Na luta pelos trabalhadores da arte




25 de março de 2013

Reciclagem de aprendizado

Estudantes de universidade dos EUA passaram uma semana trabalhando voluntariamente no Centro de Educação Ambiental da Vila Pinto, na Capital


Reciclagem de aprendizado Mateus Bruxel/Agencia RBS
Sophia (D) veio dos EUA para ajudar no serviço Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS
Por cerca de quatro horas, a recicladora Sandra Mara Mendes, 43 anos, e a estudante de Antropologia da Universidade de Massachussetts, nos Estados Unidos, Sophia Grimm, 23 anos, dividiram a mesa de separação de lixo, no Centro de Educação Ambiental da Vila Pinto (CEA-Vila Pinto), no Bairro Bom Jesus, na sexta-feira passada.
Assista a imagens da interação:

Aluna de um curso supletivo de Ensino Fundamental, Sandra arriscou as primeiras palavras em inglês. E não se acanhou: contou os números até dez e a saudou na língua estrangeira. E foi "aprovada":
- Adorei falar com a Sophia, pois amo inglês.
Mais de 150 se inscreveram
Pela primeira vez na vida separando lixo manualmente, Sophia não se intimidou. Mesmo falando apenas "obrigado" e "cuidado" em português, a jovem fez questão de aprender a selecionar o material. Ela e outros dez estudantes - EUA (sete), Guatemala, Cabo Verde, Colômbia e Brasil - aproveitaram as férias para trocar experiências.
Quem teve a iniciativa foi a brasileira Franci da Luz, 25 anos, de Criciúma, que vive há 18 nos EUA e está se formando em Psicologia:
- Queria mostrar um outro Brasil, longe do Rio e da Bahia. Mais de 150 estudantes se inscreveram!
Durante uma semana, os jovens desenvolveram atividades com mais de 200 crianças e adolescentes inscritos na instituição. Aulas de yoga, inglês, basquete e artes fizeram parte do cronograma.
Mas quem aprendeu mais? A colombiana Maritza Merino, 21 anos, estudante de Comunicação, garante:
- Vi que aqui tudo é feito com amor. Fiquei impressionada com a educação das crianças.
Exemplo a estudantes
Ao lado da cabo-verdiana Teresa Pina, a recicladora Carmem Lucia Araújo, 42 anos, tentava manter um diálogo de sinais com a voluntária. Em minutos, as duas já sorriam. Teresa aprendeu a separar plásticos e papéis reutilizáveis.
- Não é difícil para nos entendermos. O que não falamos, fazemos sinais. Toda a troca de cultura e de experiência é válida - afirmou Carmem.
- É muito importante saber como as pessoas vivem em outros lugares. O que eles fazem aqui serve de exemplo para nós - destacou Teresa.
Entusiasmo contagiante
Para a presidente do CEA, Marli Medeiros, a participação dos estudantes estrangeiros trouxe novas perspectivas. É a primeira vez que representantes de uma universidade dos EUA vivenciam a experiência do Centro - descobriram o trabalho da instituição por meio de reportagens publicadas na internet.
- Já tem criança dizendo que quer chegar à universidade para também viajar como eles. Vamos sentir saudades de todos - disse Marli.
Sophia já projeta a volta em 2014, para aprender português:
- Na escola, aprendi sobre a Bahia e o Rio de Janeiro. Mas adorei a experiência aqui.

DIÁRIO GAÚCHO

24 de março de 2013

ENTREVISTA PARA A RADIOQUIXOTE.COM

 
HOJE, concedemos entrevista para o site radioquixote.com, sobre o PMC, Conselho de  Cultura e Cultura na Copa, comandado pelo professor em gestão cultural e produtor cultural Marcelo Miguel.
 
Guimarães

23 de março de 2013

Outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre será segunda-feira

A cerimônia de outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre, que integra as comemorações do 241º aniversário da capital gaúcha, ocorrerá na próxima segunda-feira, 25, no Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo, às 20h. Serão outorgadas 27 medalhas a pessoas e instituições que se distinguiram por relevantes serviços em prol do desenvolvimento cultural, social ou econômico da cidade. Concebida pelo artista plástico Nelson Jungbluth, essa medalha traz em sua arte motivos ligados aos valores da pessoa e da natureza. A Medalha Cidade de Porto Alegre é entregue desde 1975, embora tenha sido oficializada por decreto a partir de 1977.
Agraciados de 2013:
- Associação Gaúcha de Familiares de Pacientes Esquizofrênicos e Demais Doenças Mentais - AGAFAPE
- Associação dos Usuários de Informática e Telecomunicações do Rio Grande do Sul – SUCESU–RS
- Força Jovem Gaúcha
- Fundação São João
- Grupo de Assessoria a Imigrantes e Refugiados - GAIRE
- Lar da Amizade
- Rotary International – Distritos 4670 e 4680
- Sociedade Recreativa Beneficente Imperadores
- Alexandre Gadret
- Carlos Deboni
- César Luís de Araújo Faccioli
- Clovis Welter
- Esperidião José Curi
- Israel João Zandoná
- Jean Felipe Almeida Andrade
- Major André Luís Nickele Cordova
- Marcelo Rech
- Marcelo Ruschel
- Maria Berenice Dias
- Miguelina Paiva Vecchio
- Padre Rodrigo Scaravonato
- Renato Marsiglia
- Ronald Radde
- Rui Nascimento Freitas
- Sérgio Zambiasi
- Valter Souza
- Yasmin Böhm Lewis Esswein


/semanadeportoalegre
Texto de: Jandira Feijó
Edição de: Caren Mello
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Saiu o tema para o espetaculo noturno de Porto Alegre


via  MTG
O projeto, “O Rio Grande do Sul no imaginário social”, é definido pela busca da compreensão e organização do ser humano, de maneira que cada indivíduo encontre seu lugar e sua razão de ser no tempo e no espaço. O imaginário resulta de um vasto conjunto de imagens, símbolos e ritos, enfim, do conjunto de experiências coletivas ou individuais de uma sociedade.
Trazendo este assunto a tona, no ano de 2013, nos proporciona a possibilidade de levarmos para as escolas, CTGs, e desfiles, de todo o nosso estado, um tema de grande reflexão da importância do estudo do imaginário.
Um ponto importante está na relação do mito com o imaginário social. As narrativas míticas seriam utilizadas pelos atores políticos como uma forma de promover a coesão social. Ao analisarmos a vinculação entre religiosidade humana e o imaginário social, são perceptíveis as diversas práticas utilizadas ao longo da história humana, que visaram legitimar as hierarquizações sociais através da aplicação do sagrado.
Os ritos cívicos, dentro dessa perspectiva, emergem como um mecanismo essencial para reforçar no imaginário social o poder da ordem vigente e as diferenças existentes na sociedade. O imaginário social passou a ser utilizado pelos positivistas para explicar o progresso da civilização e pelos marxistas nas interpretações dos imaginários sociais a partir das análises das ideologias.
A ideia é trabalhar a mitologia regional gaucha nas escolas e nos ctgs promovendo o teatro, produções de curtas metragens, que estimularão os jovens a produzirem muito mais sobre a nossa identidade, como as coreografias dos grupos de danças e os desfiles da semana farroupilha.
É a oportunidade de analisarmos a origem do gaúcho por outra ótica, que não as já apresentadas nos outros anos. Pelos mitos, lendas e contos podemos ver a origem e ainda “viajar” pelas batalhas e guerras que construíram esse ser, que hoje, definimos por gaúcho.
Rogério Bastos
Professor e comunicador
Contribuição: professora Neusa Secchi
Para os Desfiles
“Contos, mitos e lendas do Rio Grande do Sul”
CARRO 1 – O imaginário – João Simoes Lopes Neto
Utilizar João Simões Lopes Neto, escritor e empresário, como representante literário do imaginário social do nosso estado. Neto nasceu em Pelotas em 1865 e seus contos e lendas vieram a fazer sucesso depois de sua morte. Depois de vários experimentos empresariais (cigarros marca Diabo, fabrica de vidros, moagem de café, destilaria, etc...) encontrou-se profissionalmente como escritor. Recolheu lendas, contos, criou personagens lendários como Blau Nunes, o veterano vaqueano (baqueano – aquele que aponta o caminho, guia) com estampa gaúcha, que é o guia dos caminhos pela pampa e pelos contos de Simões Lopes.
CARRO 2 – LENDAS
A lenda do M Boitatá – a cobra de fogo
Conta-se, entre a gauchada das estâncias, que nos passeios e viagens à noite aparece um fogo valente e às vezes em forma de cobra que, voa na frente dos cavaleiros, impedindo que siga. Há crença entre a gente do campo de que, o Boitatá, se deixa atrair pelo ferro. O meio para livrar-se do ataque consiste em desatar o laço e arrastá-lo pela presilha. O Boitatá atraído pelo ferro da argola do laço deixa o andante e segue atrás até amanhecer o dia. Na versão de Simões Lopes Neto, a cobra de fogo identifica-se com a cobra-grande que se alimenta dos olhos dos bichos.
CARRO 3 – LENDAS
A lenda do Negrinho do Pastoreio
A lenda nasceu das lembranças dos campeiros, marcado pelo terror e crueldade, misturada com o desejo de compensação e de desforço que devia vazar-se em forma religiosa. Para seu transplante lendário concorreram vários fatores, desde baixas formas de crendices, ainda visível nos dias de hoje, até a profunda vibração de solidariedade humana que transformou símbolo de uma raça.
Simões Lopes a estilizou, introduzindo no cenário, Nossa Senhora, a ser madrinha do negrinho, madrinha dos que não tem, deu-lhe uma graça perfeita, mais luz. A lenda do Negrinho do Pastoreio é genuinamente rio-grandense, nascido da escravidão e refletindo o meio pastoril, o poder, e a religiosidade que é associada aos outros tantos casos de escravos considerados mártires.
CARRO 4 - LENDAS
A Salamanca do Jarau
O palco da lenda é o Cerro do Jarau, formado por uma cadeia de morros, que se destacam na paisagem do pampa gaúcho, no município de Quaraí. Simões Lopes Neto desenvolveu o tema com elementos que decorriam das superstições locais. Temos o sacristão dado às artes mágicas, envolvido pela tentação. Aliados a este tema, a ocupação moura na Península Ibérica, a princesa encantada, os tesouros escondidos apresentados na forma de serpente, lagartixa, o carbúnculo ou teiniaguá dos guaranis, elemento originário do novo mundo.
CARRO 5 – CONTOS
O Mate do João Cardoso
Os contos de João Simões Lopes Neto, sua linguagem, representam a sensibilidade e um regionalismo espontâneo como exímio contador de histórias. O Mate do “João Cardoso”, um dos mais populares contos de Simões, destaca a tradição herdada dos indígenas, a hospitalidade do mate na roda do chimarrão, bebida típica do gaúcho, o convívio, solidariedade e a fraternidade do homem rural. Vai além, mostra um período da história que os meios de comunicação eram escassos e as novidades vinham pelos viajantes que passavam pelas terras, já tão pobre, mas sem perder a hospitalidade tão típica do gaúcho. O convite era pra um mate, mas que nunca chegava.
CARRO 6 – CONTOS - Trezentas onças
Trezentas onças
Era verão, Blau Nunes viajava para comprar uma tropa de gado a mando do patrão da estância. Muito quente, ele resolveu se banhar num arroio. Depois de banhado, descansado, seguiu viagem.Quando chegou na estância, onde passaria a noite, percebeu que havia esquecido a guaiaca próximo ao arroio. Deu meia volta e voltou para buscar a guaiaca. No caminho cruzou por uma comitiva que ia em direção à estância, mas não parou, estava com pressa. Ao chegar no local ela não estava lá. O vivente pensou até em dar fim à vida, mas resolveu assumir para o patrão que perdera o dinheiro. Voltou para a estância. Ao entrar, viu sobre a mesa a sua guaiaca com as 300 onças; havia sido encontrada pela comitiva com quem cruzara pelo caminho, como se tratava de gente “boa”, a guaiaca foi devolvida ao dono. Lembra-nos de honestidade, “fio de bigode”, confiança, elementos presentes nos valores do gaúcho.
CARRO 7 – MITOS - LOBISOMEM E BRUXA
O mito lobisomem é a crença que determinados homens podem se transformar em monstro, meio-lobo, meio-homem. O mito no RS leva o fado do sétimo filho homem de uma família que será fatalmente lobisomem, a menos que seja batizado pelo irmão mais velho. O mito da bruxa no RS veio da Europa, mas nada tem haver com a bruxa de nariz comprido, com chapéu montada na vassoura. É uma mulher bonita e má, sua grande arma é o “olho grande”. Será bruxa a sétima filha do casal, quando não for interrompida por varão e batizada pela primogênita, perde o fado. Crianças embruxadas ficam amareladas, cruzam os braços e pernas. Quando aparece borboleta feia e preta nas casas, de dia, acredita-se que é a bruxa e se previne com uma figa, arruda e chifre.
CARRO 8 – CRENDICES E SUPERSTIÇÕES
Em todas as épocas o homem sempre acreditou no sobrenatural, sempre atribuiu a forças ocultas os fatos que fugiam ao seu conhecimento científico, teve medo e procurou conhecer e dominar as forças.
As sobrevivências que fazem parte do nosso acervo cultural, herdado de nossos antepassados, está o mundo mágico, povoado de crenças, misticismo, rezas fortes, simpatias, promessas e como não poderia deixar de ser, da vontade de manipular estas forças invisíveis. As origens das crendices e superstições são tão antigas quanto o próprio homem. Crendice é aquilo que se acredita e não teme, é sentimento de fé, convicção, simpatias, benzeduras.
A superstição é um sentimento baseado no temor e na ignorância. Estão incluídos os ditos “não presta” (não presta fazer isso... por que...). As superstições variam de pessoa para pessoa e lugar, por exemplo: Uma das superstições mais conhecidas e difundidas que se conhece, está relacionado ao número 13, Passar sob uma escada, jogar um punhado de terra na cova do morto, gato preto dá azar, coruja piando próxima casa ou a sobrevoando dá azar.
CARRO 9 – CONTOS - Chasque do Imperador
Blau Nunes narra os fatos de um ponto de vista muito próximo do soberano Dom Pedro II, daquele que se tornou seu ajudante, seu estafeta (Chasque). A narrativa predomina no espaço da pampa gaúcha, em que a tropa comandada pelo Imperador se desloca, ora acampando, ora sendo recebida por estancieiros da região. Ao ser oferecido, Blau não se julga apto a servir o imperador.
Nesse universos vemos as classes distintas: a vida árdua, dotada de poucas informações e de pouco preparo social, que emerge na campanha sulina, e o homem da corte, pouco afeito à vida campeira. Em determinado momento da narrativa, o comandante de uma das tropas (Barão), junto ao imperador, termina fazendo a apologia das qualidades gaúchas, sob o ponto de vista do narrador-personagem, a rusticidade, a coragem e a virilidade do homem pampa gaúcho. Mais tarde o imperador encontra uma mulher, que após perambular pelo acampamento, oferece ao soberano um preparo de requeijão, que dava gosto de se ver e com um cheiro inigualável”. Na passagem, salienta-se, o papel da mulher sul-rio-grandense nos confrontos bélicos que marcaram a Rio Grande. Enquanto os homens seguiam para os campos de batalha, cabia-lhes esperar e tocar a economia local.
A dualidade, que se forma neste universo da guerra, parece, também, adquirir relevância, posto que a incumbência da luta caberá aos peões, homens rudes, afeito às lides bélicas, enquanto o Imperador se manterá protegido, distante do confronto, servindo apenas como um reforço ao moral das tropas em combate. Faz-se importante retomar os costumes, os hábitos gaúchos que a narrativa traz à cena: os cuidados com os cavalos, o chimarrão, aspectos que, de certa forma, fazem eco ao propósito narrativo de valorizar a vida campeira.

Originalidade de álbum que concorre ao Prêmio Açorianos é questionada

Zero Hora:

Diego Lopes concorre ao prêmio Açorianos na categoria compositor pop com álbum que remete à obra de Ben Folds Five


Originalidade de álbum que concorre ao Prêmio Açorianos é questionada Luis Fernando Martins/Divulgação
Integrante da banda Acústicos & Valvulados, Diego Lopes concorre ao Prêmio Açorianos na categoria Compositor por seu trabalho solo Foto: Luis Fernando Martins / Divulgação
A originalidade de um trabalho que concorre ao Prêmio Açorianos de Música deste ano está sendo colocada em xeque.
O ouvido atento de um fã do cantor Ben Folds identificou semelhanças entre as canções do músico norte-americano e as faixas de Diego Lopes & Bebop, álbum solo do compositor e instrumentista Diego Lopes, baixista da banda Acústicos & Valvulados.
O Segundo Caderno ouviu o trabalho de Lopes e o disco de estreia de Ben Folds e sua banda, Ben Folds Five, de 1995, e ainda um dos álbuns solo do músico, Songs for Silverman (2005), e notou pontos semelhantes entre eles, a começar pelos títulos de algumas músicas, como Por Onde Anda Ana P.? e Where's Summer B., Polca e The Last Polka, Vídeo e Video e ainda Nocaute e Boxing. Algumas letras também apresentam a mesma temática e trechos iguais, como Philosophy, em que Ben Folds escreve "Go ahead you can laugh all you want / I got my philosophy ("Vá em frente, você pode rir o quanto quiser / Eu tenho minha filosofia", em tradução livre), enquanto Lopes, em Minha Teoria, canta "Pode rir o quanto quiser / Eu tenho a minha teoria".
Para comparar: confira canções e trechos de letras do álbum "Diego Lopes & Bebop" e do músico americano Ben Folds.
As coincidências entre as duas obras seguem na parte instrumental. O Segundo Caderno enviou as faixas de ambos os discos para especialistas, que ouviram as músicas e emitiram comentários a respeito. Segundo o professor titular de Composição Musical da UFRGS, Celso Loureiro Chaves, há "semelhanças e identidades de melodia, forma, estrutura, harmonia, arranjo e letras/ideias poéticas entre as canções".
– Não há problema algum nisso, desde que o autor especifique claramente de onde vieram suas ideias e identifique sem rodeios quem é o modelo que está na superfície do seu trabalho – pondera Chaves. – Neste caso, semelhanças e identidades passariam como homenagem, releitura, recriação, transliteração. Mas se o responsável pelas canções não tiver feito isso, a discussão sairá do campo musical para o campo jurídico, pois da homenagem à cópia o passo é muito pequeno.
No material gráfico do disco de Lopes, indicado ao Açorianos de Música como compositor na categoria pop, não há qualquer menção a Ben Folds. No encarte, consta que "Todas as músicas por Diego Lopes exceto Por Onde Anda Ana P.? por Diego Lopes e PJames". Procurada pela reportagem, a gravadora Sony Music, responsável pelo catálogo de Ben Folds, afirmou que não foi pedido nenhum tipo de autorização para utilização da obra do músico norte-americano.
O diretor artístico da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa), Tiago Flores, que também ouviu os dois trabalhos, afirmou que "a coincidência é impressionante":
– Dá para dizer que as músicas foram baseadas na banda Ben Folds Five. Ritmo e melodia seguem o mesmo padrão.
Para o advogado e professor da Faculdade de Direito da UFRGS, Fabiano Menke, em casos como este é preciso verificar em que medida a música de um artista esconde fragmentos de outra já existente.
– Caso um pequeno fragmento de uma música antiga sirva de inspiração para uma música nova, ficando bem claro para quem escuta que se trata até mesmo de uma lembrança ou uma homenagem à música antiga, não haverá plágio, pois não há a intenção de ocultar a criação de outra pessoa – explica.
Autor do disco, Diego Lopes alega que não houve intenção de fazer um trabalho semelhante ao de Ben Folds. Segundo ele, o seu jeito de compor lembra o de Folds e de outros artistas, como Paul McCartney e Elton John, utilizando como base baixo, piano e bateria. Daí as composições terem ficado semelhantes.
– É uma semelhança de formato. Assumo que há uma influência primordial, então acho que, inconscientemente, isso transparece. Mas em nenhum momento copiei a música do cara – garante. – Alguma coisa de resolução de harmonia é muito provável que seja parecido, porque, no universo pop, a originalidade é uma coisa restrita, praticamente todas as convenções de harmonias nos últimos, sei lá, cem anos, já foram utilizadas.
Sobre as letras terem trechos parecidos e até o mesmo nome, Lopes alega coincidência:
– Vídeo é uma história que um amigo meu falou, de que quando a gente morrer o que vai sobrar da gente é um vídeo, uma foto, que são as lembranças que se têm. Daí, quando compusemos a música, acabamos chamando ele inconscientemente de Vídeo. E Nocaute é um diálogo fantasioso entre o Popó e o Éder Jofre, é uma música bem antiga.
Procurado pela reportagem, o coordenador de música da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Jorge André Brittes, disse que a indicação ao Prêmio Açorianos foi feita pelos jurados, mas que o caso será avaliado:
– Levaremos a questão ao júri, send

22 de março de 2013

EDITAL SEDAC N° 03/2013 – III Festival de Esquetes da CCMQ



A Secretaria de Estado da Cultura, por intermédio da Casa de Cultura Mario Quintana e em parceria com a Associação de Amigos da Casa de Cultura Mario Quintana, torna pública a abertura de inscrições para participação no III Festival de Esquetes da CCMQ, que tem por finalidade descobrir novos talentos, bem como fazer trocas de experiências entre os artistas e os grupos, divulgando e estimulando as artes cênicas. Tem a expectativa de contribuir para a formação de plateia e gosto pelas artes cênicas.
O III Festival de Esquetes da CCMQ é uma mostra competitiva aberta à participação de artistas/grupos das artes cênicas amadores ou profissionais, que serão selecionados por uma comissão indicada pela organização do evento para se apresentarem nos espaços da Casa de Cultura Mario Quintana, havendo ainda premiação em dinheiro para os três melhores colocados.
Clique aqui e veja o Edital nº 03/2013 – III Festival de Esquetes da CCMQ

Lançamento - Martín Fierro


 
"Ele anda sempre fugindo. Sempre pobre e perseguido; não tem cova nem ninho como se fora um maldito, porque ser gaúcho.... ser gaúcho é delito."

O clássico poema argentino Martín Fierro, de José Hernández, ganha uma nova edição bilíngue, da Editora da Cidade. O livro tem tradução de Antonio Augusto "Nico" Fagundes e coordenação editorial de Luís Augusto Fischer.


O maior clássico da literatura gauchesca, publicado pela primeira vez no ano 1872, com o título de El gaucho Martín Fierro, narra a vida do homem do campo, homem de vida simples, com seus costumes e linguagens. Uma síntese entre a temática campeira e a denúncia política e moral, retrata, seja pela força coloquial da linguagem, seja também pelas belas imagens, as raízes gaudérias.

O lançamento da obra ocorre no dia 26 de março, às 19 horas, no Centro Municipal de Cultura Lupicínio Rodrigues. Na ocasião, haverá um bate-papo sobre a nova edição com Luís Augusto Fischer e Nico Fagundes, que também estará autografando o livro. Por fim, um sarau com o grupo Os Fagundes.


O quê: Lançamento do livro Martín Fierro - José Hernández/ traduzido por Antonio Augusto Fagundes
Quando: 26 de março, às 19 horas
Onde: Centro Municipal de Cultura (Av. Erico Verissimo, 307)

Informações: Coordenação do Livro e Literatura
(51) 3289 8071/8072
cll@smc.prefpoa.com.br

OFICINAS DA SMC



Manipulação de Imagens Digitais
Ministrada por Mara Caruso, que desde 1980 desenvolve suas atividades como instrutora do Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre Xico Stockinger.
Será utilizado o software livre GIMP e terá como objetivo capacitar o aluno para realização de um projeto artístico, através do conhecimento de suas ferramentas e possibilidades, desde a criação de arquivos ou captação de imagens à impressão do projeto final. O curso também propõe o desenvolvimento de uma linguagem pessoal e contemporânea com novos meios de representação.
Requisito: Ter conhecimento e prática do windows
Horário: Todas as segundas-feiras, das 9h às 12h, com a duração de um semestre
Local: Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre Xico Stockinger
Mais informações: (51) 3289-8057

"Cais Mauá vai parar na Justiça"


Maria Isabel Hammes
Mais um capítulo na novela do Cais Mauá: agora, o consórcio responsável pelas obras de revitalização da área no porto da Capital é alvo de dois processos na Justiça, ajuizados nesta semana pelo consultor Maurênio Stortti, por “incidentes contratuais”.

Na próxima semana, deve ser impetrado novo processo por falta de pagamento do trabalho feito nos dois últimos anos. As ações tratam de preservação de “compromissos com a cidade, de um conceito do trabalho que não foi respeitado. Não é só cobrança,” disse uma fonte.

Stortti, entre outras atividades, responsabilizou-se pela modelagem financeira do empreendimento, além de acertos com parceiros que instalariam operações no local.

Mário Freitas, presidente do consórcio Porto Cais Mauá do Brasil, mostrou “surpresa” com os processos e disse que o caso só dever ser comentado pelos acionistas – a espanhola GSS Holdings, a NSG Capital e o grupo Bertín. Depois, o departamento jurídico do consórcio revelou que ainda não foi citado sobre as ações. Por isso, não se manifestaria agora.

Responsável na prefeitura pela tramitação do projeto, o secretário de Desenvolvimento e Assuntos Especiais, Edemar Tutikian, sabia dos processos e lamentou, “pois o que se quer é harmonia neste trabalho coletivo”. Espera entendimento entre as partes, mas evitou detalhes porque a questão é da iniciativa privada, não do governo.

21 de março de 2013

Carnaval de Rua com o Império da Zona Norte


 

Bateria imperiana dará ritmo à festa - Foto: Samuel Maciel , PMPA



E o Carnaval não para pela cidade. Um dia depois de celebrar seu aniversário, o Império da Zona Norte será atração na 2ª edição do Carnaval de Rua Fora de Época promovido pela Rádio Farroupilha.

O evento, que integra as comemorações dos 241 anos de Porto Alegre, será realizado no domingo, dia 24 de março, a partir das 15h, em uma estrutura montada no estacionamento do Shopping Total, na Avenida Cristóvão Colombo.

Além do Império, haverá apresentações dos grupos Pura Cadência e Louca Sedução, que, aliás, é integrado por Victor Nascimento, compositor e diretor de harmonia musical em escolas de samba da Capital. Durante a festa, também haverá distribuição de máscaras e outras atividades paralelas.

A entrada é franca.

Lançamento da Escola de Espectadores de Porto Alegre será na próxima terça, dia 26


Cerimônia ocorre no Teatro Túlio Piva, a partir das 20h, e terá a participação de um dos principais nomes da historiografia e da crítica teatrais da América Latina, Jorge Dubatti, além da abertura da exposição Pelas Ruas e Palcos da Cidade, das fotógrafas Adriana Marchiori e Ana Vianna.

Foto de Adriana Marchiori
Uma programação repleta de atrações interessantes marca o lançamento da Escola de Espectadores de Porto Alegre (EEPA), na próxima terça-feira (26) no Teatro de Câmara Túlio Piva (Rua da República, 575 – Cidade Baixa). A cerimônia, que tem entrada franca, está marcada para as 20h, e contará com a presença do pesquisador argentino Jorge Dubatti, que criou a primeira escola de espectadores em 2001, na cidade de Buenos Aires, e do coordenador da EEPA, jornalista e dramaturgo Renato Mendonça. Além disso, haverá a abertura da exposição Pelas Ruas e Palcos da Cidade, das fotógrafas Adriana Marchiori e Ana Vianna, apresentando uma criteriosa seleção de imagens de dança e teatro, eternizando a delicadeza e a arte de pessoas em cena. Todas essas atividades fazem parte das comemorações da Semana de Porto Alegre.


Escola de Espectadores
As atividades da EEPA seguirão o modelo que já funciona com sucesso em Buenos Aires, Montevidéu, Cidade do México, La Paz, Santiago do Chile, Medelin e Lima, conciliando aulas sobre fundamentos de artes cênicas e debates com diretores, atores, produtores e técnicos tendo por tema produções de artes cênicas que estejam em cartaz em Porto Alegre. As atividades da EEPA serão gratuitas e não serão exigidos quaisquer pré-requisitos dos alunos. As aulas serão quinzenais e terão lugar no Auditório Álvaro Moreyra (Centro Municipal de Cultura, Av. Erico Veríssimo, 307), sempre aos sábados, das 10h30min ao meio-dia. O primeiro ciclo da EEPA se inicia no próximo dia 13 de abril e vai até 6 de julho. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo email inscrevacac@gmail.com. A EEPA é um projeto da Coordenação de Artes Cênicas da PMPA.

Jorge Dubatti
Um dos principais nomes da historiografia e da crítica teatrais da América Latina. Pesquisador, teórico e crítico de artes cênicas. Nascido em Buenos Aires, é doutor em História e Teoria das Artes pela Universidade de Buenos Aires. Dirige, desde 2001, a Escola de Espectadores de Buenos Aires (EEBA). Publicou mais de mais 400 artigos em revistas e jornais especializados de Argentina, Alemanha, Bolívia, Brasil, Canadá, Colômbia, Cuba, Chile, Espanha, Estados Unidos, Holanda, Itália, México, Uruguai e Venezuela. É autor de livros fundamentais como Teoría y práctica del Teatro Comparado (ensaios, 2003) e Teatro Comparado. Problemas y conceptos (ensaio, 1995).


Renato Mendonça
Jornalista, escritor, dramaturgo e pesquisador no campo de artes cênicas. Foi editor das áreas de Artes Cênicas e de Música no jornal Zero Hora, de Porto Alegre, entre os anos de 1994 e 2010. Integra a DRAN – Oficina de Dramaturgia, orientada por Graça Nunes, desde 2007. Cursa o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFRGS e deve defender dissertação no primeiro semestre de 2013.


Exposição Fotográfica - Pelos Palcos e Ruas da Cidade
As imagens de dança foram capturadas nos festivais realizados pelo Centro de Dança de Porto Alegre, como o Dança.com, o Amostra de Dança de Verão de Porto Alegre, apresentações do Grupo Experimental de Dança de Porto Alegre e produções cinematográficas de vídeo dança. As imagens de teatro, por sua vez, foram capturadas em trabalhos dos alunos do Departamento de Artes Cênicas da UFRGS, em espetáculos de grupos estreantes do Projeto Novas Caras da Secretaria Municipal de Cultura, como Os Pindaibanos, agraciado com o Prêmio Mais Teatro Revelação 2012. Imagens de grupos mais experientes, como Cabaret Valentin e Cia Stravaganza também fazem parte da mostra.
Fotógrafas: Adriana Marchiori e Ana Vianna.
Foto de Ana Vianna


A exposição pode ser conferida de 26/3 a 26/4,de segunda a sexta das 9h às 11h e das 14 às 17h; aos sábados e domingos a partir de 1h antes dos espetáculos conforme programação do Teatro.

LANÇAMENTO DA ESCOLA DE ESPECTADORES DE PORTO ALEGRE

Quando: Terça-feira (26/3), às 20h
Onde: Teatro de Câmara Túlio Piva (Rua da República, 575 – Cidade Baixa)
Participações: Pesquisador argentino Jorge Dubatti, inspirador das escolas de espectadores, e coordenador da EEPA, Renato Mendonça
Abertura da exposição Pelos Palcos e Ruas da Cidade, das fotógrafas Adriana Marchiori e Ana Vianna
Entrada franca

ESCOLA DE ESPECTADORES DE PORTO ALEGRE
Primeiro ciclo de aulas: de 13/4 a 6/7, com aulas quinzenais, aos sábados, das 10h30 ao meio-dia
Onde: Auditório Álvaro Moreyra (Centro Municipal de Cultura, Av. Erico Veríssimo, 307)
Não há pré-requisitos para participar

Aulas gratuitas
Inscrições por email: inscrevacac@gmail.com

REUNIÃO DEFINE AÇÕES DE PLANEJAMENTO PARA O 1º FESTIVAL DE GASTRONOMIA DO RS

VIA FACEBOOK - IGTF

O Grupo de Trabalho (GT) de Gastronomia Regional do Palácio Piratini realizou nesta terça-feira (19), no Palácio Piratini, a primeira reunião de organização do 1º Festival de Gastronomia do RS, que acontece durante os dias 26 e 30 de junho no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Durante a reunião, foram definidas as comissões e subcomissões de organização do evento, considerado inovador e fundamental para culinária gaúcha.

Foram definidas para a organização do festival as subcomissões que tem como objetivo planejar e executar todas as ações de relações institucionais, administração e finanças, mobilidade, sustentabilidade e impacto ambiental, programação, infraestrutura e comunicação, para que os visitantes possam prestigiar um espaço caracterizado não só pela diversidade gastronômica, como também de fácil acesso e transparência nas atividades propostas.

Conforme a coordenadora do GT, Jussara Dutra, o festival é resultado de um trabalho que está sendo desenvolvido há mais de um ano. "O projeto será desenvolvido a partir de pesquisas sobre a gastronomia regional em parceria com universidades, associações étnicas, secretarias e entidades do setor de alimentos e bebidas". A intenção é que o festival se repita a cada ano, firmando-se como um dos maiores festivais do gênero no país, tornando o Rio Grande do Sul um dos principais roteiros gastronômicos do Brasil.

A primeira reunião serviu para apresentação do projeto às diversas secretarias de Estado e entidades do setor gastronômico, apresentação da equipe e coordenação do festival e indicação de nomes para as subcomissões. Como encaminhamento ficou definido que semanalmente as subcomissões deverão se reunir e uma vez por mês, o grande grupo encontra-se para apresentar as ações de planejamento e execução de cada setor.

O festival vincula a gastronomia regional ao desenvolvimento agrário, turismo, cultura, economia, ecologia, educação, entre outros elementos que dizem respeito à temática da culinária. "O festival será um grande diálogo em torno da alimentação, inclusive a partir do ‘Diálogos Paralelos', que deve abordar prioritariamente a alimentação escolar, entre outros assuntos que serão discutidos em seminários e workshops", ressalta Jussara.

A realização do festival é da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa), da Casa Civil, a partir do GT de Gastronomia. A promoção é da Associação dos Amigos de Tradição e Folclore (AATF) e tem como co-promotores a Fecomércio, Federasul, Farsul, Fetag, Abrasel, Senac, Senai, Sebrae, Trensurb, Irga, FIGTF e Famurs, além do apoio de diversas secretarias de Estado.

Texto: Daiane Roldão da Silva
Foto: Alina Souza/Especial Palácio Piratini
Edição: Redação Secom (51)3210-4305


Fonte: http://www.rs.gov.br/noticias/1/110446/Noticias-Reuniao-define-acoes-de-planejamento-para-o-1o-Festival-de-Gastronomia-do-RS
REUNIÃO DEFINE AÇÕES DE PLANEJAMENTO PARA O 1º FESTIVAL DE GASTRONOMIA DO RS

O Grupo de Trabalho (GT) de Gastronomia Regional do Palácio Piratini realizou nesta terça-feira (19), no Palácio Piratini, a primeira reunião de organização do 1º Festival de Gastronomia do RS, que acontece durante os dias 26 e 30 de junho no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Durante a reunião, foram definidas as comissões e subcomissões de organização do evento, considerado inovador e fundamental para culinária gaúcha. 

Foram definidas para a organização do festival as subcomissões que tem como objetivo planejar e executar todas as ações de relações institucionais, administração e finanças, mobilidade, sustentabilidade e impacto ambiental, programação, infraestrutura e comunicação, para que os visitantes possam prestigiar um espaço caracterizado não só pela diversidade gastronômica, como também de fácil acesso e transparência nas atividades propostas. 

Conforme a coordenadora do GT, Jussara Dutra, o festival é resultado de um trabalho que está sendo desenvolvido há mais de um ano. "O projeto será desenvolvido a partir de pesquisas sobre a gastronomia regional em parceria com universidades, associações étnicas, secretarias e entidades do setor de alimentos e bebidas". A intenção é que o festival se repita a cada ano, firmando-se como um dos maiores festivais do gênero no país, tornando o Rio Grande do Sul um dos principais roteiros gastronômicos do Brasil. 

A primeira reunião serviu para apresentação do projeto às diversas secretarias de Estado e entidades do setor gastronômico, apresentação da equipe e coordenação do festival e indicação de nomes para as subcomissões. Como encaminhamento ficou definido que semanalmente as subcomissões deverão se reunir e uma vez por mês, o grande grupo encontra-se para apresentar as ações de planejamento e execução de cada setor. 

O festival vincula a gastronomia regional ao desenvolvimento agrário, turismo, cultura, economia, ecologia, educação, entre outros elementos que dizem respeito à temática da culinária. "O festival será um grande diálogo em torno da alimentação, inclusive a partir do ‘Diálogos Paralelos', que deve abordar prioritariamente a alimentação escolar, entre outros assuntos que serão discutidos em seminários e workshops", ressalta Jussara. 

A realização do festival é da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa), da Casa Civil, a partir do GT de Gastronomia. A promoção é da Associação dos Amigos de Tradição e Folclore (AATF) e tem como co-promotores a Fecomércio, Federasul, Farsul, Fetag, Abrasel, Senac, Senai, Sebrae, Trensurb, Irga, FIGTF e Famurs, além do apoio de diversas secretarias de Estado. 

Texto: Daiane Roldão da Silva 
Foto: Alina Souza/Especial Palácio Piratini
Edição: Redação Secom (51)3210-4305


Fonte: http://www.rs.gov.br/noticias/1/110446/Noticias-Reuniao-define-acoes-de-planejamento-para-o-1o-Festival-de-Gastronomia-do-RS

Instituído grupo que discutirá criação de parque no Gasômetro

Foto: Tonico Alvares
GT será formado por representantes de entidades, Executivo e vereadores

Em reunião realizada na noite desta quarta-feira (20/3), o presidente da Câmara Municipal de Porto Alegre, Dr. Thiago Duarte (PDT), instituiu o grupo de trabalho (GT) que será responsável por discutir a implantação do Parque Usina do Gasômetro. A criação da nova área verde na Capital está prevista no Plano Diretor.

Ficou decidido que o GT será formado por representantes de cinco entidades da sociedade civil: Associação Gaúcha de Proteção Ambiental (Agapan), Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS), Movimento Viva Gasômetro, União das Associações de Moradores de Porto Alegre (Uampa) e Região Geral de Planejamento 1 (RP 1), que integra o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA).

Pelo Executivo, o prefeito em exercício, Sebastião Melo (PMDB), anunciou que farão parte do grupo representantes do Gabinete de Assuntos Especiais da Prefeitura e das secretarias municipais de Meio Ambiente (Smam), Cultura, Governança Local e Urbanismo (Smurb). Nesta quinta-feira (21/3), serão definidos o número e os nomes dos vereadores que também terão assento no GT.


Texto: Maurício Macedo (reg. prof. 9532)

Livros inéditos de Lopes Neto serão lançados


via blog  ROGERIO BASTOS
 

Dois livros inéditos de João Simões Lopes Neto serão lançados nesta sexta-feira, dia 22, no Instituto. "Terra Gaúcha — Histórias de Infância" e "Artinha da Leitura" serão publicados pela editora Belas-Letras depois de mais de 100 anos dos manuscritos originais. A cerimônia de lançamento começa às 19h.

Livros inéditos ressurgem

As duas obras que ficaram por mais de um século perdidas foram recuperadas e agora, por meio de um trabalho coordenado pelo professor e escritor Luís Augusto Fischer, ganham a devida publicação. Escritos entre os anos de 1904 à 1907, os manuscritos desses livros foram encontrados por acaso e segundo Fischer, poderão "iluminar" a obra maior de Simões Lopes.

Para desenvolver o trabalho, o coordenador do projeto contou com a ajuda do autor da mais recente biografia de Simões Lopes Neto, o advogado Carlos Francisco Sica Diniz e do bibliófilo, membro do Instituto Histórico e Geográfico do RS e dono dos manuscritos, Fausto Domingues. As edições ainda contaram com esclarecedores textos dos professores Beatriz Loner e Pedro Garcez.

Para Carlos Francisco Sica Diniz, "tudo que vem dele (Simões Lopes Neto) é da maior relevância". Portanto, só por esse fato a publicação já deve ser considerada e celebrada, mas Diniz ainda ressalta que esses livros são uma importante mostra do pensamento progressista do autor pelotense, "comprovam a visão de largo alcance do escritor, sempre à frente de seu tempo", considera.

As obras

O livro Terra Gaúcha — Histórias da Infância, que foi escrito aos moldes de um livro de literatura, é protagonizado e narrado por um menino chamado Maio, que conta suas aventuras na estância da família e na escola. Nele, aparecem pela primeira vez as figuras do gaúcho na obra simoniana.

Foto de manuscrito de 'Terra Gaúcha'
Artinha da Leitura é uma espécie de cartilha idealizada por Simões Lopes Neto. Chegou a ser submetida ao Conselho de Instrução Pública do Rio Grande do Sul, em 1908 e foi rejeitado. Nessa época esse tipo de material didático era escasso e o número de pessoas alfabetizadas muito baixo, mas com uma ideia avançada para o seu tempo, o autor de Contos Gauchescos, não obteve sucesso em seu projeto de formar novos leitores.

O lançamento das 'novas' obras do Capitão tem o apoio do Ministério da Cultura e da Prefeitura de Pelotas, com patrocínio do Banco do Estado do Rio Grande do Sul. O kit com os dois livros (Terra Gaúcha 275 pág. e Artinha de Leitura 200 pág.) estará disponível a partir desta sexta-feira, para pesquisadores e admiradores do saudoso autor pelotense, pelo valor de R$ 69,90 reais.


Texto: Cassio Lilge
Imagem: Carlos Edler, Reprodução