Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

25 de setembro de 2017

Sopapo Poético - edição de setembro/2017

 

 

Imagem inline 1

Neste mês, o convidado especial do Sopapo Poético é o compositor e intérprete IZOLINO NASCIMENTO, um dos pilares do samba no Rio Grande do Sul. O evento acontece no dia 26 de setembro, terça-feira, no CRN Nilo Feijó, na Av. Ipiranga, 311, Bairro Menino Deus, com entrada franca. 


O sarau SOPAPO POÉTICO – Ponto Negro da Poesia é um encontro mensal promovido pela ANdC (Associação Negra de Cultura) desde 2012. A exemplo de outros saraus afro-brasileiros, evoca o protagonismo negro, em uma roda de atuações, reflexões e de convivências. Sempre na última terça-feira do mês, reúne artistas, pensadores e simpatizantes da cultura negra de resistência.

IZOLINO NASCIMENTO 

Nascido em Porto Alegre, no ano de 1943, no bairro Teresópolis. Ainda criança, passou a viver em São Leopoldo, onde teve os primeiros contatos com a música e aprendeu a cantar brincando para um festival. Estudou mecânica na Escola Técnica Parobé. Sua profissão foi desenhista projetista. Como era bom de bola, foi convidado a jogar no Aymoré e mais tarde no Grêmio. O futebol lhe aproximou do samba, apesar da contrariedade da família. A sua participação efetiva do cenário do samba gaúcho tem início através do convite de um amigo, o comunicador e radialista Carlos Alberto Barcelos, o Roxo. Assim começa a florescer sua veia poética de compositor, tendo como referência o samba de raiz, dolente, e como maior parceiro musical o grande violonista Professor Palmeira. No anos 1980, Izolino integrou o grupo O SAMBÃO e, mais tarde, foi diretor musical do talentoso conjunto SAMBA AUTÊNTICO, que marcou época nos palcos gaúchos, apresentando músicas próprias e acompanhando os maiores nomes do samba brasileiro. O Mestre Izolino também passou a encantar com seu talento no Carnaval de Porto Alegre, como intérprete e compositor de agremiações como Imperadores do Samba, Praiana, Imperatriz Dona Leopoldina, Império do Sol e outras. Em 2011, teve um CD tributo gravado por Cláudio Barulho com suas composições. 
Em um breve resumo, esse é o Nego Izolino, um genial poeta, um mestre da composição, sambista de fato.

- mais sobre Izolino: 

https://www.youtube.com/watch?v=u2m3tSwWFSM&t=471s 

https://www.youtube.com/watch?v=5ySv-9HsnaM


SOPAPINHO 
Com a proposta de desenvolver o interesse pela cultura e pela poesia nos pequenos, o Sopapinho é um momento de fortalecimento da identidade étnica e da autoestima das crianças negras. As atividades do Sopapinho, paralelas ao sarau, envolvem brincadeiras, artes visuais, canto, contação de histórias e a participação na roda de poesia. 


FEIRA AFRO

A Feira Afro acompanha e apoia o Sopapo Poético desde suas primeiras edições, fortalecendo o espírito comunitário do sarau. A diversidade de produtos e estilos é sua característica, reunindo afro-empreendedores e artesãos, com produção voltada para a identidade étnica. Artesanato, alimentação, literatura, estética cultural, vestuário, cosméticos naturais, música - e muito mais - são opções da feira para o eclético público sopapeiro.

CINE KAFUNÉ

Antecedendo o sarau, o Cine Kafuné projeta no telão vídeos clipes e documentários com foco na cultura negra.



SOPAPO POÉTICO - Ponto Negro da Poesia

Edição de setembro de 2017

Convidado: Izolino Nascimento

Quando: terça-feira, 26 de setembro, às 19h30min

Onde: Centro de Referência do Negro Nilo Feijó 

Av. Ipiranga, 311, Menino Deus - Porto Alegre/RS



ENTRADA FRANCA


Contatos: 
sopapo.poetico@gmail.com
(51) 99365-3315 - 99117-4559 - 99317-6497 – 99218-5449


Realização:
ANdC - Associação Negra de Cultura


Apoios:
Centro de Referência do Negro Nilo Feijó
Cine Kafuné
Negrestyle - design gráfico
Sílvia Abreu - Consultoria Integrada de Marketing
SINDIPETRO - Sindicato dos Petroleiros
Boteko do CANINHA (Areal da Baronesa)

 

crédito da foto: Evandoir dos Santos

 

 

 

23 de setembro de 2017

Sistema Pró-cultura RS segue fomentando projetos culturais no Estado



Quase R$ 25 milhões foram destinados ao fomento da cultura no Rio Grande do Sul
Só em 2017, quase R$ 25 milhões foram destinados ao fomento da cultura no Rio Grande do Sul
A Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul (Sedactel) segue atuando no fomento à cultura através do Pró-cultura RS. Apenas em 2017, mais de 218 projetos foram aprovados, totalizando quase de R$ 25 milhões destinados ao incentivo cultural.
O Sistema Estadual Unificado de Apoio e Fomento às Atividades Culturais, instituído pela Lei nº 13.490/2010, contempla dois mecanismos de fomento:
Pró-cultura RS – Lei de incentivo à Cultura (LIC): mecanismo de fomento indireto que oferece benefício fiscal para empresas que patrocinem os projetos culturais aprovados pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC).
Pró-cultura RS – Fundo de Apoio à Cultura (FAC): mecanismo de fomento direto do Estado, sem necessidade de captação de patrocínio, para produtor cultural cujo projeto tenha sido selecionado através de Edital.
Quem pode apresentar projetos?
Produtores culturais com registro junto ao Cadastro Estadual de Produtor Cultural (CEPC) podem apresentar projetos. O CEPC pode ser realizado por prefeituras, pessoas jurídicas com ou sem fins lucrativos e pessoas físicas interessadas na apresentação de projetos para o Pró-cultura RS LIC e FAC.
Para o cadastro, é preciso que o produtor cultural resida ou que sua empresa tenha sede no Estado do Rio Grande do Sul. No caso de pessoa jurídica, exige-se, no mínimo, 1 ano de registro junto ao CNPJ, com a finalidade cultural expressa no estatuto ou no ato constitutivo da empresa.
Os projetos são apresentados de forma eletrônica na página www.procultura.rs.gov.br através do “Acesso do proponente”.
Pró-cultura RS – Lei de Incentivo à Cultura
Originado de demanda espontânea do produtor cultural, o projeto é distribuído a um analista do Pró-cultura RS para avaliação. Sendo habilitado, o projeto é encaminhado para avaliação do Conselho Estadual de Cultura – CEC, o qual delibera sobre o mérito cultural e o grau de prioridade do projeto. A partir do parecer do CEC, o produtor cultural busca empresas interessadas em patrocinar, sediadas no Rio Grande do Sul, contribuintes do ICMS e que não podem ter aderido ao Simples Nacional.
O patrocinador, mediante habilitação da Sedactel, deposita o patrocínio, tendo direito a compensar o benefício fiscal concedido. O benefício fiscal para empresa patrocinadora é de 100% do valor repassado ao projeto aprovado, mas, para tanto, deve ser realizado repasse ao Fundo de Apoio à Cultura (FAC) de 5% para projetos de construção e de restauração de patrimônio ou 25% para os demais projetos. Todos os projetos financiados deverão prestar contas conforme previsto na legislação vigente.
Pró-cultura RS – Fundo de Apoio à Cultura
Originado a partir da abertura de editais de concurso promovidos pela Sedactel, que definem as áreas culturais beneficiadas, limites de valores, prazo de execução e requisitos específicos. O produtor cultural deve apresentar o projeto no prazo e nas condições estabelecidas no edital do FAC escolhido.
O produtor deve verificar no link Editais do menu FAC do site http://www.procultura.rs.gov.br se há editais com período de inscrição aberto. Antes de efetuar a inscrição, é fundamental a leitura atenta do edital selecionado, verificando quais segmentos, finalidades e modalidades de Cadastro Estadual de Produtor Cultural (CEPC) podem participar.
A inscrição do projeto deve ser realizada no “Acesso do proponente”, com o preenchimento do formulário padrão específico do edital. A Comissão de Habilitação faz a análise da documentação anexada por ocasião das inscrições, habilitando ou inabilitando o projeto, de acordo com as normas previstas nos editais.
O projeto habilitado segue para a etapa de seleção (avaliação de mérito). A seleção de projetos é realizada por Comissão Julgadora nomeada especificamente para cada edital, que classifica os projetos de acordo com os critérios de pontuação previstos.
São contemplados os projetos melhor classificados, de acordo com as finalidades e quantidades previstas em cada edital. Todos os projetos financiados devem prestar contas conforme previsto no edital e na legislação vigente.

No Acampamento Farroupilha, patroa negra lidera piquete que conta a história de seus ancestrais




Maria Elaine, patroa do piquete O Mocambo, no Acampamento Farroupilha | Foto: Maia Rubim/Sul21

Luís Eduardo Gomes

Maria Elaine Rodrigues Espíndola é mulher, negra e patroa de um piquete do Acampamento Farroupilha. A satisfação com o posto, evidente no sorriso com que recebe quem chega, tem razão de ser. Onde mais ela poderia contar a história de seus ancestrais, os Lanceiros Negros, que lutaram na guerra que não era deles, mas que os permitia sonhar com a liberdade? Como mestre griô, uma guardiã da memória, ela utiliza o espaço, respeitando as tradições farroupilhas, para cumprir esse papel: preservar e transmitir as tradições dos negros gaúchos.

“Eu respeito sempre porque eu também me sinto incluída nessa cultura. Eu também respiro esse ar rio-grandense, eu também tomo o chimarrão e amo essa veste. Posso não entender totalmente a veste da mulher da fazenda, mas lá de trás, da lida, do trabalho, eu também aprendi”.

Maria Elaine é patroa do piquete O Mocambo, ligado à associação comunitária de mesmo nome que representa moradores da Cidade Baixa e arredores. Criada entre as décadas de 1970 e 1980, ainda sem esse nome, a associação tem por objetivo preservar a história do bairro que originalmente foi um reduto de negros de Porto Alegre. Desde os anos de 1950, 1960, porém, grande parte dos negros que habitavam a região acabaram passando por um processo de remoção liderado pelo Estado – o mais notório deles foi a remoção da comunidade da antiga Ilhota para a atual Restinga – ou, com o valorização dos imóveis da região, mudando-se para áreas em que a moradia era mais acessível.

“As famílias que constituíam a entidade, aos poucos foram se distanciando no próprio bairro, e esse processo de exclusão fez com que o poder público levasse muitas delas para a própria Restinga. Mas alguns não foram, e ficaram resistindo”, diz Maria Elaine. “Quando a gente percebeu que estávamos nos separando, fomos ao OP [Orçamento Participativo] pedir um local para contarmos a nossa história nesse bairro”, complementa.

Em 2004, o Mocambo recebeu permissão da Prefeitura para usar as instalações do número 1.530 da Av. Loureiro da Silva como centro cultural para realizar esse trabalho. Na mesma época, por iniciativa de seu esposo, Cláudio Espíndola, natural de Pelotas, iniciou um trabalho para que a entidade montasse, “com muita dificuldade”, um piquete no Acampamento Farroupilha. Maria Elaine lembra que o primeiro espaço sequer tinha cobertura, apenas uma lona os protegia da chuva.

Cláudio foi o primeiro patrão, posto que ocuparia por alguns anos até adoecer – ele viria a falecer em 2009. Inicialmente, o cargo foi herdado por um homem, mas, no ano seguinte, Maria Elaine acabou assumindo a função. “Nós também temos que ficar e assumir, enquanto mulheres, porque somos a maioria na entidade”, diz. Ela conta que, em 2017, já está em sua sexta ou sétima edição do Acampamento como patroa. Sua primeira preocupação, sempre, é a cobertura, em respeito às dificuldades que tiveram naquela primeira participação.

Se o negro já é raro no Acampamento, uma mulher negra e patroa, é ainda mais. Maria Elaine sentiu isso, mas não se deixou intimidar. “Quando tu vem a primeira vez, parece que tem que se justificar. Estou vindo porque perdi o meu marido e quero continuar o legado dele. E tu precisa de apoio, não só dos teus, mas da própria vizinhança, para que ela te perceba também com honradez. E, nesse momento que te percebe como uma mulher que está ali lutando, sabe que muda um pouco a relação. Independente de a palavra patrão já dizer tudo, aos poucos, muito timidamente, eu fui me apresentado como a patroa”.

Apesar disso, ela conta que ainda tem gente que chega na porteira e pergunta pelo patrão. Ela levanta, vai em direção à porta, dá bom dia e se apresenta como patroa. “Muitos se surpreendem”, diz. No entanto, destaca que o número de mulheres no posto vêm crescendo. Esse ano, já são mais de 30, fora as que “organizam tudo” nos bastidores, observa.
Maria Elaine posa ao lado dos itens que utiliza para ajudar a contar a história do negro gaúcho | Foto: Maia Rubim/Sul21

Preservação da história negra

Maria Elaine afirma que, hoje, o piquete O Mocambo também cumpre um papel importante na preservação da história do negro no Rio Grande do Sul. Aquela que por muitos anos não esteve presente na Literatura – e não está em muitas das “versões oficiais” –, mas que foi sendo transmitida pela oralidade de família a família, e assim conseguiu ser preservada. No último domingo (17), a atividade realizada pelo piquete como parte da programação turística do Acampamento lembrou os Lanceiros Negros, corpo de soldados formado por escravos libertados para lutar ao lado do exército farroupilha.

“Aqui é um lugar para celebrar a auto-estima desse povo que, mesmo não vencendo a guerra, se infla por ter estado nela com a sua coragem. Em que lugar nós vamos discutir a coragem desses homens sem nome que o todo da história chamou de Lanceiros Negros? Tem que ser aqui também, para que lado a lado, aos poucos, também seja ‘concedido’ o reconhecimento de que o meu povo, a minha etnia, lá atrás, também contribuiu numa guerra que não era deles, dos seus antepassados, sonhando em serem libertos”, afirma Maria Elaine ao destacar que, muito do trabalho que vem sendo feito pelos historiadores mais recentes para reconstituir o papel dos negros na Revolução Farroupilha, hoje já registrado na literatura, deve-se justamente à preservação da história através da oralidade.

Nascida em 1947, ela integrou a primeira geração de sua família em que todos os cinco irmãos foram alfabetizados. Após concluir o colégio, virou professora. Chegou a pensar em ser freira para continuar os estudos, única chance que tinha na época. Acabou fazendo um curso para dar aulas de braile, sendo professora na área até sua aposentadoria. Também é artista plástica. Foi uma das responsáveis pela obra O Tambor – primeira obra pública realizada pelo movimento negro organizado na Capital –, inaugurada em 2010 na Praça Brigadeiro Sampaio, antigo Largo da Forca, onde os negros que fugiam em busca de liberdade eram levados para morrer na origem da cidade.

Líder comunitária, com atuação em conselhos de saúde, mas também uma mestre griô, figura na cultura afro que tem o papel de ser a “guardiã da memória” e transmiti-la para as gerações seguintes. É com essa responsabilidade que Maria Elaine decorou o piquete O Mocambo com itens e imagens que remetem à ancestralidade africana e ao passado dos negros no Rio Grande do Sul. Um dos quadros alude às rainhas africanas. A patroa faz questão de lembrar que os negros são descendentes de reis e rainhas. Mas também há peças que lembram o passado doloroso da escravidão. O marcador de gado que era usado tanto no lombo dos animais quanto de humanos, que à época não eram considerados cidadãos. O antigo pente que era aquecido no fogo para alisar os cabelos de gerações de negros. Há ainda peças que homenageiam a cultura de seus ancestrais, misturados com elementos de crenças indígenas e cristãs, como a Nossa Senhora Negra que adorna a mesa do piquete. “Nós não estamos nessa história? Estamos. Então temos que dizer que esse negro é gaúcho e esse gaúcho é negro”, afirma.
Maria Elaine faz questão de destacar que negros são descendentes de reis e rainhas africanos | Foto: Maia Rubim/Sul21

Lanceiros Negros

Se a história oficial não lhes deu um nome, Maria Elaine diz que foram buscar na figura de um homem chamado Salvador, que depois da guerra foi ao Rio de Janeiro, se alistar no Exército brasileiro, um símbolo para contar as histórias dos demais Lanceiros Negros – senão aquela que ele vivenciou de fato, mas como um arquétipo das versões que foram sendo transmitidas pela oralidade ao longo das décadas. “Os Lanceiros sem nome, tu não pode dizer que sentimento eles tiveram. Então cumpre a mim, com essa minha alma também de resgate, poder pensar e avaliar o que será que sentiu o bisavô do meu pai, o tataravô, lá atrás, nesse período de guerra, e buscar alguém que conte isso”.

O tema deste ano da Semana Farroupilha é “Farroupilhas: idealistas, revolucionários e fazedores de história”. No site oficial, há uma lista de nomes a serem reverenciados. Para Maria Elaine e O Mocambo, essa foi uma oportunidade de contar a história dos heróis desconhecidos, sem nome. “Aqui dentro, onde eu posso falar, eu reverencio os heróis como foi o tema proposto, mas esses heróis esquecidos também têm que vir. Porque eles não tinham nome, eu estou querendo dar um agora, ainda que seja um nome da minha imaginação, mas para que descansem em paz. Tantos filmes não fazem sucesso buscando isso, para que alguém se sinta representado? Eu estou fazendo isso, tenho esse compromisso de contar a minha história”, diz, destacando o papel da representatividade para que os negros sintam que pertencem a esse espaço, tão marcado por personagens brancos. “A gente quer dizer que aquele homem esquecido podia ser qualquer um de nós”.

O próprio nome Mocambo já é uma escolha por representatividade que não seja aquela consagrada na literatura oficial. No dicionário, a palavra significa lugar pequeno, sujo, escuro, para onde o escravizado fugidio ia para se esconder. “O Mocambo, nesse momento contemporâneo, é um local onde nos reunimos para discutir e dizer para o poder público a política que nós queremos para exercer cidadania. Não é mais um lugar de fuga”, diz Maria Elaine.

NOTA DO EDITOR: MARIA ELAINE RODRIGUES ALÉM DE GRIÔ, LIDER COMUNITÁRIA ATUANTE TAMBÉM FOI CONSELHEIRA DE CULTURA DE PORTO ALEGRE POR MAIS DE UMA GESTÃO.

Confira mais fotos, clicando aqui.


Fonte: portal Sul21

21 de setembro de 2017

Choro das Gurias e Gurias do Samba participam do Sarau Baile da Primavera neste sábado

 

 

 

Clube de Mães do Cristal promove Sarau Baile da Primavera aberto à comunidade

Programação inclui apresentações dos grupos Choro das Gurias e Gurias do Samba

neste sábado (dia 23)

 

O Clube de Mães do Cristal, com o apoio do Conselho Municipal do Idoso de Porto Alegre - COMUI, promove uma programação especial para fortalecimento e valorização das relações do idoso, com sua família e comunidade. Das 14h às 17h acontece o Sarau Baile da Primavera com apresentações dos grupos Choro das Gurias e Gurias do Samba, entre outras atrações, junto à figueira centenária na Rua Curupaiti e que, há 11 anos, foi adotada pelo Clube de Mães do Cristal. A entrada é franca.

A associação, de mais de quatro décadas de atividades, e presente na atuação das reivindicações e promoções das demandas relacionadas à cultura e a inclusão social de crianças, jovens, adultos e idosos da comunidade do bairro Cristal e da cidade, é reconhecida publicamente com títulos e prêmios, por seus serviços assistenciais e socioculturais, em Porto Alegre. A entidade também tem um braço importante no incentivo à leitura e preservação da memória com a atuação da sua Biblioteca Comunitária do Cristal, que atende gratuitamente mais de 40 bairros da cidade.

23/09 - Sábado - Figueira Centenária do Cristal (Rua Curupaiti esquina com Av. Campos Velho - Bairro Cristal)

Sarau Baile da Primavera - das 14h às 19h

Entrada franca

Apresentações dos grupos Choro das Gurias e Gurias do Samba 

O grupo Choro das Gurias possui uma formação camerística de choro. É composto por seis integrantes: Caroline Guarnieri no saxofone, Júlia Valentini no violão, Juliana Rosenthal no cavaquinho, Pâmela Amaro no pandeiro, Stefania Colombo na flauta transversa e Victória Gautto no clarinete. Inicialmente o grupo conta com arranjos de Elias Barboza, criados especialmente para o grupo. Com uma linguagem musical voltada para a música brasileira, especificamente do choro, o grupo apresenta-se como parte desta cultura musical e chorista da cidade de Porto Alegre - RS, trazendo como um grande diferencial a sonoridade de mulheres gaúchas.

O grupo Gurias do Samba é formado por Sandra Reis (Vocal e Violão), Carla (Tamborim, Agogô, Surdo), Vanessa (Rebolo, Surdo),  Clarice (Pandeiro, Cuíca) e Raquel (Surdo, Rebolo, Efeitos) e faz releituras que vão do samba de raiz ao pop, passando pela MPB, com muito suingue.

 

 

 

 

 

 

13 de setembro de 2017

Clube de Mães do Cristal promove oficina com o escritor Robertson Frizero na Biblioteca Comunitária do Cristal neste sábado



Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch (51) 99803-4420


Clube de Mães do Cristal oferece programação cultural aberta à comunidade

 

Ações de incentivo à leitura e sarau acontecem a partir deste sábado (dia 16)

 

O Clube de Mães do Cristal, com o apoio do Conselho Municipal do Idoso de Porto Alegre - COMUI, apresenta uma programação especial para fortalecimento e valorização das relações do idoso, com sua família e comunidade. A associação, de mais de quatro décadas de atividades, e presente na atuação das reivindicações e promoções das demandas relacionadas à cultura e a inclusão social de crianças, jovens, adultos e idosos da comunidade do bairro Cristal e da cidade, é reconhecida publicamente com títulos e prêmios, por seus serviços assistenciais e socioculturais, em Porto Alegre. A entidade também tem um braço importante no incentivo à leitura e preservação da memória com a atuação da sua Biblioteca Comunitária do Cristal, que atende gratuitamente mais de 40 bairros da cidade. Com esta longa trajetória e comprometimento com a comunidade porto-alegrense, o Clube de Mães do Cristal apresenta sua programação de setembro:

16/09 - Sábado - Sede do Clube de Mães do Cristal (Rua Curupaiti, 915 - Bairro Cristal)

Leitura e Terceira Idade - Compartilhar experiências e Memórias

No dia 16 de setembro, a partir das 10h, acontecem dois eventos super especiais que têm como temática o uso da palavra escrita e falada junto ao público idoso.
Uma Roda de Conversa com especialistas na prática e na teoria da mediação de leitura para o público idoso, que trarão suas experiências para compartilhar e trocar com os participantes. A oficina de Escrita de Memórias é direcionada para todos que desejam se iniciar na arte da escrita de memórias.
Os dois eventos são gratuitos e as inscrições devem ser feitas pelo e-mail: bibliocomunitariacristal@gmail.com. Vagas limitadas.

Programação:

10h -12h - Roda de Conversa com trocas de experiências sobre mediação de leitura para o público idoso.
Facilitadores:
Júnia Vieira
Mestre em Teoria da Literatura - PUCRS;
Especialista em Teoria e Prática da Formação do Leitor – UERGS;
Licenciada em Letras - Língua Portuguesa/Inglesa - PUCRS. Coordenadora da Biblioteca Comunitária do Cristal.

Gabriel Feichas Alves
Pedagogo, Especialista. em Saúde Mental Coletiva - UFRGS.
Atuou como professor de Ensino Fundamental e EJA em Teutonia/RS. Desde a graduação está envolvido com contação de histórias e mediação de leitura para públicos variados.


14h - 18h - Oficina de "Escrita de Memórias" para todos aqueles que desejam se iniciar em escrita de memórias.

Oficineiro:
Robertson Frizero
Escritor, Tradutor, Dramaturgo e Professor de Criação Literária. Seu romance de estreia, "Longe das Aldeias" (2015), foi indicado ao Prêmio São Paulo de Literatura e Prêmio Açorianos de Literatura e agraciado como Livro do Ano pela Associação Gaúcha de Escritores. "Por que Elvis não latiu?"(2010), sua estreia na literatura, foi premiado e indicado como um dos trinta melhores livros infantis do ano pela Revista CRESCER. Mestre em Teoria da Literatura pela PUCRS.

Todos os eventos são indicados para todos os públicos.


23/09 - Sábado - Figueira Centenária do Cristal (Rua Curupaiti esquina com Av. Campos Velho - Bairro Cristal)

Sarau Baile da Primavera - a partir das 14h

Programação cultural com chorinho e samba de raiz

Entrada franca

 




12 de setembro de 2017

Porto Alegre recebe o maior festival de dança do RS



Foto: Claudio Etges/ Divulgação PMPA
Festival contará com aproximadamente 5 mil bailarinos e estudantes Festival contará com aproximadamente 5 mil bailarinos e estudantes
Realizado pela primeira vez em Porto Alegre, o Sul em Dança - maior evento de dança do Rio Grande do Sul e um dos maiores do Brasil - chega a sua 15ª edição. O festival ocorre de 18 a 26 de setembro, no Teatro do Sesi - Centro de Eventos Fiergs - e contará com aproximadamente 5 mil bailarinos e estudantes que sobem ao palco para encantar e levar a cultura da dança para o público.  
 
Com o lema Movimento que nos Une, o festival busca valorizar e possibilitar uma nova oportunidade para todos os talentos do RS e de outros estados. O espetáculo de abertura deste ano, dia 19, contará com a apresentação dos destaques do festival de 2016 e de Isabella Rodrigues, que ganhou o prêmio de melhor bailarina do 33º Festival de Dança de Joinville e também participou de turnê realizada em 25 cidades da Rússia, com os espetáculos “Black Swan” e “Virtuosos of Ballet World”. A cadeirante Camila Rocha Duarte, da Escola de Dança Kitty, também promete emocionar o público com sua participação no festival, que acontece paralelamente ao Dia da Acessibilidade, comemorado em 19 de setembro. 
 
Para Margit Kolling, diretora do Sul em Dança, a chegada ao Teatro do Sesi pela primeira vez é um desafio muito grande. “É um sonho realizado, não só para mim, mas para todos os participantes. São 15 anos de uma caminhada que chega agora à Capital e num lugar com a grandeza do Teatro do Sesi. Com certeza esse é o maior ganho para todos os bailarinos”, ressalta. Entre as modalidades apresentadas estão ballet clássico, jazz, dança contemporânea, danças urbanas, danças folclóricas e estilo livre. O corpo de jurados do Festival conta com nomes de destaque no cenário da dança nacional. Entre eles, Janice Botelho, Mariza Estrella, Octávio Nassur, Edy Wilson, Fran Manson, André Rockmaster e Anette Lubisco.
 
Integra a programação do Sul em Dança a Mostra de Dança Estudantil e de Projetos Sociais, que possibilita a mais de mil crianças e adolescentes subirem ao palco e terem acesso a um festival de dança desse porte.
 
O projeto Sul em Dança é viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, tendo como patrocínio master a empresa Stihl, patrocínio da Unique e BR Supply, e apoio cultural do Centro de Eventos Fiergs - Teatro do Sesi.
Os jurados
Janice Botelho - Coreógrafa com trabalhos na Rede Globo, inauguração da Arena do Grêmio, reinauguração do Beira-Rio, Natal Luz Gramado, Criança Esperança e Globo 50 anos.
Mariza Estrella – Ex-diretora da Cia. Jovem do Teatro Municipal Rio de Janeiro e atual diretora do Centro de Dança Rio.
Octávio Nassur - Idealizador e coordenador geral do FIH2 Festival Internacional de Hip Hop, de Curitiba.  
Edy Wilson - Coreógrafo e professor de dança, jurado convidado nos grandes festivais de dança e instituições de dança no Brasil e América Latina.
Fran Manson - Diretora de grupos de danças urbanas da cidade de Bauru, coreógrafa e bailarina, já ganhou primeiros lugares em batalhas de Hip Hop Dance e Waacking. Eleita também melhor bailarina do Festival de Joinville em 2017.
André Rockmaster - Idealizador e diretor coreógrafo da Cia Vertente Única, na qual esteve em tour no Brasil e Europa nos últimos anos.
Anette Lubisco – Coreógrafa e professora do ensino informal (dança jazz). Como bailarina, participou de vários grupos de dança em Porto Alegre. Professora do Curso de Licenciatura em Dança Ulbra, professora da pós-graduação da Ulbra/Canoas. Ministra disciplinas na especialização em Dança da PUC/RS e atua no mercado cultural/artístico como coreógrafa, professora e jurada de festivais de dança. 
 
Programação
Segunda-feira, 18: montagem e ensaios - espetáculo de abertura
Terça-feira, 19, 19h: espetáculo de abertura e concurso danças urbanas
Quarta-feira, 20, 17h: danças urbanas, estilo livre e danças folclóricas
Quinta-feira, 21, 17h: Mostra de Dança Estudantil e de Projetos Sociais, ballet clássico, jazz e dança contemporânea
Sexta-feira, 22, 18h: ballet clássico de repertório, ballet clássico e jazz
Sábado, 23, 17h: ballet clássico de repertório, ballet clássico, jazz e dança contemporânea
Domingo, 24, 17h: ballet clássico de repertório, ballet clássico, jazz e dança contemporânea
Segunda-feira, 25, 17h: Mostra de Dança Estudantil e de Projetos Sociais, ballet clássico de repertório, ballet clássico e jazz
Terça-feira, 26, 18h: estilo livre. Espetáculo de encerramento e premiações
 
Sul em Dança 2017
De 18 a 26 de setembro
Teatro do Sesi
Ingressos: R$ 25 (no local)
www.sulemdanca.com.br  
 
 


/danca

Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Abertas inscrições para oficina gratuita de teatro para adolescentes na CCMQ





Aulas para adolescentes de 13 a 16 anos acontecerão todas as terças, até dezembro de 2017
Aulas para adolescentes de 13 a 16 anos acontecerão todas as terças, até dezembro de 2017
Estão abertas as inscrições para a oficina gratuita de “Teatro na Adolescência: uma jornada do autoconhecimento”, na Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ). Voltado para adolescentes entre 13 e 16 anos, os encontros vão ocorrer às terças-feiras, a partir de 26 de setembro até 12 de dezembro, das 14h30 às 16h30, na Sala Lili Inventa o Mundo (5º andar da CCMQ). Os interessados devem se inscrever pelo e-mail kyndze.horlle@gmail.com.
Ministrado pela atriz Kyky Rodrigues, a oficina tem o intuito de criar um ambiente seguro à produção de obra artística-cênica em grupo e, ao mesmo tempo, compartilhar experiências, medos e desejos.
Serviço:
Oficina GRATUITA de Teatro na Adolescência: uma jornada do autoconhecimento
Oficineira: Kyky Rodrigues
Data: 26 de setembro a 16 de dezembro
Hora: 14h30 às 16h30
Local: Sala Lili Inventa o Mundo – 5º andar da CCMQ – Rua dos Andradas, 736 – Centro Histórico / Porto Alegre
Inscrições: kyndze.horlle@gmail.com

5 de setembro de 2017

Ciclo de oficinas descentralizadas começa em setembro

05/09/2017 10:54:25

Foto: José Lucas Quoos/Divulgação PMPA
Mostra de Resultados reunirá todas as oficinas no Renascença Mostra de Resultados reunirá todas as oficinas no Renascença
A Secretaria Municipal da Cultura dá início esta semana às oficinas descentralizadas com duração de três meses, de setembro a novembro. São oficinas de capoeira, dança, música, hip hop, audiovisual, teatro e artes plásticas. Estão disponíveis em duas modalidades: oficinas de sensibilização, com foco na faixa etária de 4 a 5 anos, que propõe uma experiência lúdica voltada à fruição de uma linguagem artística. Já as oficinas de iniciação, voltadas à faixa etária de 6 a 16 anos, trazem uma ação educativa teórica e prática de uma linguagem artística.

No total, serão 19 oficinas programadas para 11 bairros de alta e média vulnerabilidade social identificados pelo Prometa, Programa de Metas da administração municipal. A expectativa é atingir 400 crianças. As oficinas acontecem em instituições sociais e escolas públicas. Ao final do período de três meses, serão realizadas duas apresentações: uma para a comunidade local e uma central, que será realizada no Centro Municipal de Cultura, reunindo todas as oficinas.

As novidades - Neste ano, o edital de projetos de oficinas para a Coordenação de Descentralização da Cultura apresenta três novidades. A primeira diz respeito à possibilidade dos projetos de oficinas focarem duas modalidades: sensibilização e iniciação, respectivamente ações de fruição artística para crianças de 4 e 5 anos e ações educativas teóricas e práticas em diversas áreas artísticas e culturais para crianças e adolescentes de 6 a 16 anos.

A segunda é uma formação de oito horas para os oficineiros, abrangendo patrimônio cultural e metodologia de ensino. A formação tem como objetivo a construção do programa da oficina, visando a qualificar o processo de acompanhamento e supervisão. A terceira novidade é a realização de uma apresentação para a comunidade local como culminância da atividade no bairro e preparação para a Mostra da Descentralização, que ocorre no Centro Municipal de Cultura.

Para a coordenadora de Descentralização da Cultura, Andreia Vigo, as oficinas promovem cidadania e inclusão cultural para crianças e adolescentes. "Essas ações formativas representam a missão primeira da Coordenação de Descentralização da Cultura", explica. Outras informações: descentralizacao@smc.prefpoa.com.br.









Texto de: Cleber Saydelles
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

31 de agosto de 2017

Porto Alegre vai sediar 15ª edição do Sul em Dança em setembro


Foto: Joel Vargas/PMPA

Multinacional também vai doar equipamentos ao município
Multinacional também vai doar equipamentos ao município
Depois de 14 anos, o Festival Sul em Dança, que já reuniu 42 mil bailarinos em São Leopoldo, vai ocorrer em Porto Alegre. O anúncio foi feito pelo presidente da Stihl, Cláudio Guenther, pelo vice-presidente da empresa, Romário Britto, e pela produtora do festival Margit Kolling ao prefeito Nelson Marchezan Júnior nesta quinta-feira, 31 .

O evento que chega à 15ª edição ocorrerá entre os dias 19 e 26 de setembro, no Teatro do Sesi, e deve reunir cerca de 5 mil participantes. Este é o maior festival de dança do Rio Grande do Sul e o terceiro maior do país. “Porto Alegre vai ter o maior festival de dança no Estado. Isso motiva os mais jovens, estimula atividades culturais. Será um evento para a cidade de Porto Alegre, onde cada um vai participar, vai se sentir responsável pelo sucesso”, disse o prefeito, junto com o secretário da Cultura, Luciano Alabarse.

Parceria
- No encontro, os empresários também manifestaram interesse em colaborar com a prefeitura doando equipamentos como roçadeiras, motosserras, podadores de árvores, contribuindo para a limpeza e o embelezamento da cidade. O titular dos Serviços Urbanos, Ramiro Rosário, fará o levantamento das necessidades junto às secretarias. “A prefeitura está de portas abertas para outros eventos e outras empresas que gostam de participar e estimular o desenvolvimento da nossa cidade”, completou. 

A Stihl, que está há 40 anos no mercado brasileiro, é líder  na produção de ferramentas motorizadas portáteis. No Brasil, sua sede fica em São Leopoldo, onde trabalham aproximadamente 2,3 mil colaboradores. A matriz do grupo fica na cidade de Waiblingen, na Alemanha. 
 


/danca

Texto de: Eliane Iensen
Edição de: Fabiana Kloeckner
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Sarau Poético Clube Literário Jardim Ipiranga

 

 



cid:ii_j70omfhw0_15e392f4013160ea

 

25 de agosto de 2017

Anunciados vencedores de edital de R$ 2,1 milhões para setor audiovisual




Anúncio dos seis vencedores aconteceu durante o 45º Festival de Cinema de Gramado
Anúncio dos seis vencedores aconteceu durante o 45º Festival de Cinema de Gramado
Foi anunciado hoje o resultado final do edital da Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel), por meio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), que investe R$ 2,1 milhões no setor audiovisual gaúcho. O anúncio foi feito durante o 45º Festival de Cinema de Gramado. O edital foi realizado em parceria com a Ancine (Agência Nacional do Cinema), por meio do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), que tem como agente financeiro no Brasil o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Segundo o secretário Victor Hugo, “o Governo do Estado está mantendo todos os investimentos na cultura por meio do sistema pró-cultura, tanto via Lei de Incentivo à Cultura (LIC), como via FAC. Diante da crise que o Rio Grande do Sul, e todo o país, atravessa, garanto que isto é uma conquista de todo o setor”. O secretário também garantiu o trabalho para a realização de um segundo edital para o Prêmio Iecine (Instituto Estadual de Cinema, direcionado a curtas-metragens gaúchos.

O edital 17/2016 contemplou seis projetos em três categorias: dois longas-metragens, com R$ 550 mil para cada; duas obras seriadas de ficção, com R$ 300 mil para cada; e duas obras seriadas em documentário, com R$ 200 mil para cada. Os vencedores foram os longas “5 Casas”, da Besouro Filmes, e “Plauto, um sopro musical”, da Guarujá Produções; as obras de ficção “Tchekespere”, da Accorde Filme, e “Via Pública”, da Sofá Verde Filmes; e os documentários “O cinema e as cidades”, da Mendina de Moraes Santos Produções, e “O ofício de documentar”, da Tempo Serviços de Produção.

Para a diretora presidente interina da Ancine, Debora Ivanov, é com o trabalho conjunto que os projetos poderão continuar acontecendo. “Vejo muitos estados diminuindo os incentivos e me alegro em ver o Rio Grande do Sul trabalhar para manter os investimentos”, afirmou. Segundo Beto Baum, membro do Conselho Estadual de Cultura (CEC) e presidente da Comissão Julgadora do Edital existe espaço para o desenvolvimento do setor. “Foi um desafio avaliar os projetos, o nível de excelência dos trabalhos mostra que muitos poderiam ser selecionados se a verba fosse maior”, garantiu o conselheiro. Antes de anunciar os vencedores, o diretor de Fomento da Sedactel, Rafael Balle, reforçou o volume da cadeia produtiva audiovisual, já que foram inscritos 41 projetos no total, sendo 23 de longas-metragens. Também estava presente no anúncio a chefe do Departamento de Novos Negócios do BRDE, Vitória Lunardelli.

18 de agosto de 2017

Inscrições abertas para o Açorianos de Artes Visuais


Foto: Maicol Morales/Divulgação PMPA

Premiação será entregue durante a Semana de Porto Alegre 2018 Premiação será entregue durante a Semana de Porto Alegre 2018
O Prêmio Açorianos de Artes Visuais  recebe inscrições até 29 de dezembro, em 10 categorias. Os interessados poderão participar das categorias Artista, Curador(a), Exposição, Projetos de Difusão e Inovação, Reflexão, Memória, Ação Educativa, Instituição, Fomento e Prêmio do Júri. O regulamento está disponível no www.portoalegre.rs.gov.br/smc, no link Editais e a divulgação dos resultados das indicações será publicado no Diário Oficial de Porto Alegre em março de 2018. A cerimônia de entrega dos prêmios está marcada para integrar a programação da Semana de Porto Alegre de 2018.
 
O prêmio tem como objetivo valorizar, homenagear e premiar as importantes produções locais em artes visuais, que se destacam ao longo do ano de 2017, assim como registrar, mapear e fomentar as diversas manifestações e suas contribuições com processos de criação e inovação para Porto Alegre. Para participar os artistas devem viver e trabalha na Capital e Região Metropolitana há, no mínimo, dois anos, com atuação durante o período de janeiro de 2017 a dezembro de 2017, e participado de mostras individuais, coletivas ou ações abertas ao público, em espaços públicos ou privados, convencionais ou não, realizadas na cidade de Porto Alegre.
 
Abaixo, veja mais informações sobre o processo de escolha e categorias.
 
Artista: premia artistas em diferentes fases de carreira na produção de artes visuais em suas múltiplas possibilidades, que tenham realizado uma ou mais propostas, de forma pública, ao longo do ano, em qualquer tipo de espaço.
 
Curador/a: propostas curatoriais individuais ou coletivas que reúnam coerência e qualidade entre proposição conceitual e execução da produção em poéticas visuais. 
 
Exposição: mostras individuais ou coletivas de artes visuais, realizadas em espaços públicos ou privados, convencionais ou não.  
 
Projetos de Difusão e Inovação: iniciativas que contribuam para o desenvolvimento e a difusão da produção em artes visuais para além do formato expositivo, ampliando seus públicos e/ou estabelecendo conexões com outras áreas do conhecimento. Podem concorrer feiras, festivais, projetos interdisciplinares, entre outros. 
 
Reflexão: eventos e publicações (impressas ou online) que estimulem a reflexão e o debate sobre as artes visuais e/ou suas conexões com o desenvolvimento cultural e social. Podem concorrer seminários, ciclos de palestras, catálogos e publicações de viés crítico ou analítico, entre outros. 
 
Memória: iniciativas voltadas para o registro, estudo e divulgação de acervos artístico-documentais e coleções de arte públicas ou privadas, referentes a qualquer período histórico.
 
Ação educativa: propostas educativas consolidadas ou procedimentos inovadores que promovam o desenvolvimento cultural e social, realizadas em espaços formais ou não formais.  
 
Instituição: destaca a contribuição de instituições e espaços locais para as artes visuais e suas possíveis conexões com o desenvolvimento da cidade, a partir do conjunto de sua programação ao longo do ano. Inscrições para esta categoria devem ser realizadas em dezembro de 2017, com relatório resumido de atividades.
 
Fomento: prêmio para incentivo, patrocínio, mecenato ou modelos de fomento colaborativo que contribuam com inovação para as artes visuais e sua inserção no desenvolvimento cultural, social e econômico. Categoria sem inscrição prévia.  
 
Prêmio do Júri: distinção atribuída pelo júri a um ou mais atores do campo pelo desempenho e relevância de sua atuação nas artes visuais. Categoria sem inscrição prévia.   
 
 


/artes /concursos /cultura


Edição de: Ari da Silva Teixeira
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

17 de agosto de 2017

Prefeito assina decreto que permite realização da Feira do Livro


Foto: Helena Rocha/PMPA

Marchezan destacou o início da parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro
Marchezan destacou o início da parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro
O prefeito Nelson Marchezan Júnior assinou na tarde desta quarta-feira, 16, decreto que permite o uso da Praça da Alfândega pela Câmara Rio-Grandense do Livro para a realização da Feira do Livro 2017. A reunião foi realizada no Paço Municipal, com a presença do secretário municipal da Cultura, Luciano Alabarse, e representantes da entidade. A 63ª da Feira do Livro 2017 será realizada de 1º a 19 de novembro, na Praça da Alfândega, Centro Histórico. 
 
Marchezan lembrou do esforço que tem sido realizado desde o início da atual gestão para equilibrar as contas da prefeitura. “Temos a meta de qualificar a gestão. Na área cultural, a lógica é realizar atividades que cheguem nos mais humildes, naqueles que mais precisam”, disse. Ele lembrou que o ato marca a parceria entre a prefeitura e a Câmara Rio-Grandense do Livro para a realização da Feira do Livro.
 
O secretário municipal da Cultura, Luciano Alabarse, destacou que a feira é o maior evento cultural do calendário de Porto Alegre. “É com muita alegria que estamos encaminhando as tratativas para que no fim de outubro, início de novembro, o evento esteja pronto para receber a comunidade porto-alegrense”,  disse.  “Colocamos a entidade à disposição para possíveis parcerias com a prefeitura e entendemos que o momento é de racionalização”, falou o presidente da entidade responsável pela realização da Feira do Livro, Marco Antônio Cena Lopes. 
 
Acompanharam a reunião o procurador-geral do município adjunto, de Domínio Público, Urbanismo e Meio Ambiente, Roberto Silva da Rocha, o coordenador do Livro e Literatura da Secretaria Municipal da Cultura (SMC), Sergius Gonzaga, o diretor da Câmara Rio-Grandense do Livro, Vitor Zandomeneghi, e as representantes da comissão executiva da feira, Sônia Zanchetta e Jussara Rodrigues. 
 


/cultura /feira_do_livro

Texto de: Caren Moraes
Edição de: Gilmar Martins
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

16 de agosto de 2017

Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil - 24ª edição/2017 abre inscrições



Promovido pela Prefeitura de Porto Alegre, por meio da Secretaria de Cultura (SMC) e Coordenação do Livro e Literatura, Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil - 24ª edição/2017 anuncia inscrições para o período de 16 de agosto a 19 de setembro.


As inscrições podem ser pelos correios ou presencialmente, de segundas a sextas-feiras (exceto feriados), das 14h às 18h, no Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues, Coordenação do Livro e Literatura (Av. Érico Veríssimo, 307. Bairro Menino Deus. POA/RS. CEP: 90160-181).


Podem concorrer livros em primeira edição desde janeiro de 2016 até o final do período de inscrições, de autores nascidos ou residentes em Porto Alegre, ou publicados por editoras sediadas na capital gaúcha, desde que não tenham concorrido em edições anteriores do concurso.

São categorias desta edição: Infantil/infantojuvenil, Poema, Conto/Crônica, Narrativa Longa (Ficção: Romance ou Novela), Ensaio de Literatura/Humanidades e Especial. Entre os vencedores das categorias, será indicado o Livro do Ano, e ainda poderão ser premiados Destaques literários.

Foto: Maicol Moura Morales

Confira o Edital do Prêmio na íntegra

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA
SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA - SMC
COORDENAÇÃO DO LIVRO E LITERATURA – CLL
CONCURSO Nº. 006 / 2017
PRÊMIO AÇORIANOS DE LITERATURA ADULTA E INFANTIL | 24a EDIÇÃO - 2017
PROCESSO Nº. 17.0.000025150-0
REGULAMENTO
A Secretaria Municipal da Cultura da Prefeitura de Porto Alegre (SMC/PMPA) comunica aos interessados que todos os livros literários, de ensaios ou em categoria especial, editados por autor nascido ou residente em Porto Alegre e/ou editora porto-alegrense, em 2016 ou até o final do período de inscrições de que trata este edital, condicionados a uma inscrição prévia, na forma da lei nº. 8.666/93, no que couber, concorrerão ao Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil / 24ª edição - 2017, promovido pela Coordenação do Livro e Literatura (CLL) da SMC.
CRONOGRAMA
Inscrições: de 16 de agosto a 19 de setembro de 2017.
Avaliação das obras inscritas: de 16 de outubro a 30 de novembro de 2017.
Seleção das obras finalistas: de 1º a 08 de dezembro de 2017.
Divulgação das obras finalistas: a partir de 11 de dezembro de 2017.
Avaliação das obras finalistas: de 15 de dezembro de 2017 a 04 de março de 2018.
Seleção das obras vencedoras: 05 de março de 2018.
Cerimônia de entrega dos Prêmios: a partir da 2ª quinzena do mês de março de 2018, em data a ser definida pela SMC.
1. DA FINALIDADE
1.1 – O Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil / 24ª edição - 2017, instituído pelo Decreto 10.982/94, tem por finalidade destacar a produção literária de Porto Alegre em sua diversidade e abrangência, e as ações e profissionais que contribuíram para o desenvolvimento, qualificação e afirmação dessa arte em nossa sociedade.
2. DA ORGANIZAÇÃO
2.1 – Este concurso será organizado pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por intermédio da Secretaria Municipal da Cultura/Coordenação do Livro e Literatura – Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues – Av. Érico Veríssimo, nº. 307. Telefone 3289.8070 e 3289.7071.
2.2 – Este Edital estará à disposição dos participantes junto à Coordenação do Livro e Literatura – Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues – Av. Érico Veríssimo, nº. 307, na página da Prefeitura Municipal de Porto Alegre/Secretaria Municipal da Cultura http://ww2.portoalegre.rs.gov.br/smc/default.php, no Diário Oficial de Porto Alegre http://ww2.portoalegre.rs.gov.br/dopa/ e na página de Facebook Coordenação do Livro https://www.facebook.com/cllpoa/.
3. DAS CATEGORIAS
3.1 – Será concedido o troféu Açorianos de Literatura, criado pelo artista plástico Xico Stockinger, a critério dos Júris Específicos e do Júri Final, às melhores obras entre as inscritas (exceção feita à categoria de Destaques Literários, para a qual não há inscrição prévia, conforme 1.5.5 deste Edital) em cada uma das seguintes categorias literárias do Prêmio Açorianos:
3.1.1 – Prêmios por categoria:
a) Infantil/infantojuvenil;
b) Poema;
c) Conto/Crônica;
d) Narrativa Longa (Ficção: Romance ou Novela);
e) Ensaio de Literatura/Humanidades;
f) Especial;
3.1.2 – Prêmios Finais:
a) Destaques Literários;
b) Livro do Ano.
3.1.2.1 – Os Destaques poderão ser conferidos a Livrarias, Editoras, Projetos de incentivo e divulgação do livro e da leitura, veículos de comunicação (jornais, revistas, TV’s, rádios, sites, blogs, páginas de Facebook, etc.), conforme indicação espontânea dos júris.
3.1.2.2 – É prerrogativa da Coordenação do Livro e Literatura o direito de também conceder Prêmios Especiais, a seu critério, na categoria de Destaques Literários.
4. DOS CONCORRENTES
4.1 – Concorrerão ao Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil / 24ª edição – 2017:
4.1.1 - Livros publicados em primeira edição no período de janeiro de 2016 até o encerramento do período de inscrições (conforme a data constante na ficha catalográfica impressa na obra).
4.1.2 – Livros que apresentarem vínculo com a cidade de Porto Alegre, mediante autor nascido ou residente no Município ou editora porto-alegrense.
4.1.2.1 – Compreende-se por “editora porto-alegrense” a empresa responsável pela publicação do livro concorrente, com sede no município de Porto Alegre.
4.1.3 – Livros inscritos na “Categoria Especial”, cujas características não permitam enquadramento nas demais modalidades, com exceção de publicações de caráter técnico-científico. Exemplos: obras de literatura epistolar, biografias e livros de fotografia ou cartum.
4.1.4 – Livros inscritos na categoria “Ensaio de Literatura/Humanidades”, cujas características não-ficcionais resultem de esforço analítico para compreensão de tópicos da vida cultural, ficando a análise de casos especiais a cargo do Júri Específico da Categoria.
4.1.5 – Livros editados pelo autor ou por organizações não-livreiras, desde que em concordância com o presente Edital.
4.1.6 – Livros inscritos em uma única categoria do Prêmio.
4.2 – As categorias de Destaques Literários e Livro do Ano não necessitam de inscrição, uma vez que a primeira é por indicação espontânea dos júris ou da CLL/SMC, e a segunda é escolhida pelo Júri Final, entre as obras vencedoras em cada categoria, portanto, já inscritas.
4.2.1 – Mediante indicação espontânea dos júris e/ou da CLL/SMC, poderão ser premiadas na categoria de Destaques Literários:
a) entidades, instituições ou projetos com atuação destacada na área de literatura em Porto Alegre, entre janeiro de 2016 e o final do período de inscrições;
b) indivíduos com atuação destacada na área de literatura, em Porto Alegre, entre janeiro de 2016 e o final do período de inscrições e
c) o conjunto da obra ou obra de determinado escritor de reconhecida abrangência na área na cidade.
4.3 – Não concorrerão ao Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil / 24ª edição –
2017:
4.3.1 – Livros que já tenham sido inscritos em qualquer das edições anteriores do Prêmio.
4.3.2 – Livros que não tenham sido lançados em 1ª edição de janeiro de 2016 até o final das inscrições.
4.3.3 – Livros que não tenham sido inscritos no prazo regulamentar de inscrições e/ou conforme as orientações expressas neste Edital.
4.3.4 – Livros que não obedeçam ao vínculo com a cidade de Porto Alegre, conforme os itens 4.1.1 e 4.1.2 deste Edital.
4.3.5 – É vedada a participação de funcionários públicos municipais de Porto Alegre, exceção feita aos funcionários aposentados, devido ao princípio da impessoalidade, bem como em obediência ao Estatuto do Funcionário Público do Município de Porto Alegre (Lei nº. 136). Por funcionário público municipal entende-se: os servidores estatutários e comissionados da Administração Centralizada e Descentralizada, (Autarquias e Empresas Mistas, Fundações) estagiários e trabalhadores terceirizados.
5. DAS INSCRIÇÕES
5.1 – Para efeitos de inscrição, a editora, o(a) autor(a) ou autores, e/ou interessado(s) deverão obrigatoriamente encaminhar à Coordenação do Livro e Literatura/SMC (Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues — Av. Érico Veríssimo, 307. Bairro Menino Deus - CEP 90160-181. Horário de atendimento: das 14h às 18h):
a) Sete (7) exemplares de cada obra concorrente;
Observação – Os livros entregues no momento da inscrição não serão devolvidos, sendo destinados aos integrantes dos Júris e, os que sobrarem, ao acervo da Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães, vinculada à CLL/SMC.
b) Ficha de inscrição (Anexo 1) com a identificação do autor e da editora;
Observação – O autor e/ou editora e/ou responsável pela inscrição terá a atribuição do correto e completo preenchimento dos dados de autor, editora e opção de categoria na Ficha de inscrição, isentando-se a equipe da CLL/SMC de responsabilidade por erros no procedimento.
c) Termo de ciência de participação (Anexo 2), assinado pelo autor, quando a pessoa responsável pela inscrição for alguém por ele designado, ou Termo de ciência de participação (Anexo 3), assinado pelo editor, se o responsável pela inscrição for a editora.
5.2 – As inscrições serão realizadas de 16 de agosto a 19 de setembro de 2017, de segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 14h às 18h, na Coordenação do Livro e Literatura (Av. Érico Veríssimo, nº. 307 – Bairro Menino Deus, Porto Alegre/RS), mediante preenchimento da Ficha de inscrição (anexo 1) e entrega dos exemplares estipulados no item 5.1 a) deste Edital.
5.3 - As inscrições enviadas pelo correio deverão cumprir todas as disposições presentes neste Edital, inclusive quanto aos prazos estabelecidos.
5.4 – Comprovantes de inscrição podem ser requisitados pelo e-mail cll@smc.prefpoa.com.br.
5.5 – Não serão realizadas inscrições pela Internet.
5.6 – O ato de inscrição implica conhecimento integral e concordância com os termos do presente Edital.
5.7 – Após o encerramento do prazo de inscrições, a lista de inscritos será publicada no Diário Oficial de Porto Alegre (DOPA).
5.8 – Da decisão da Organização do Concurso que inabilitar inscrições apresentadas em desconformidade com o exigido, caberá recurso administrativo de 5 (cinco) dias úteis, a contar da publicação da listagem de inscritos no Diário Oficial de Porto Alegre. O referido recurso deverá ser registrado no Protocolo Central da PMPA, sendo julgado no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis a partir do recebimento pela CLL/SMC.
6. DOS JÚRIS DE SELEÇÃO E PREMIAÇÃO
6.1 – O Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil - 2017 contará com seis (6) Júris Específicos, cada qual formado por 3 (três) integrantes e responsável pela avaliação de uma categoria: Infantil/Infantojuvenil, Poema, Conto/Crônica, Narrativa Longa (ficção: romance ou novela), Ensaio de Literatura/Humanidades, Especial, e um (1) Júri Final, também formado por 3 (três) integrantes e responsável pela avaliação dos vencedores em todas as categorias, entre os quais fará a indicação do prêmio de Livro do Ano.
6.2 – A nominata dos Júris Específicos e do Júri Final é de competência da CLL/SMC, levando-se em conta as seguintes restrições à atuação no júri:
a) não estar inscrito como concorrente em nenhuma categoria do Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil – 2017;
b) não ter parentesco ou vínculo direto com quaisquer concorrentes na categoria da qual integra o júri;
c) não ter participado como jurado na mesma categoria na edição anterior do Prêmio.
6.3 – Caberá aos Júris Específicos:
a) em separado, avaliar individualmente os livros inscritos.
b) em reunião (presencial ou à distância), indicar três finalistas e o vencedor para cada uma das categorias: Infantil/Infantojuvenil, Poema, Conto/Crônica, Narrativa Longa (ficção: romance ou novela), Ensaio de Literatura/Humanidades, Especial. Caso não haja consenso na primeira reunião de determinada categoria, será agendado novo encontro do júri.
c) manter sigilo absoluto sobre os selecionados, até a divulgação dos resultados pela CLL.
6.4 – Caberá ao Júri Final:
a) avaliar os livros vencedores, indicados pelos demais Júris, nas seguintes categorias: Infantil/Infantojuvenil, Poema, Conto/Crônica, Narrativa Longa (ficção: romance ou novela), Ensaio de Literatura/Humanidades, Especial.
b) em reunião (presencial ou à distância), indicar o “Livro do Ano”;
c) manter sigilo absoluto até a divulgação dos resultados do Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil 2017.
6.5 – Conforme disponibilidade de orçamento, os componentes do Júri Final poderão receber cachê de R$ 500,00 (Quinhentos Reais – valor bruto e passível de impostos), mediante contratação. Neste caso, a despesa correrá por conta da Dotação Orçamentária nº. 1003.2429.339036.
6.6 – Funcionários da Prefeitura Municipal de Porto Alegre poderão, eventualmente, participar dos Júris, desde que capacitados para tal atividade e sem ônus ao Município.
6.7 – A nominata dos Júris Específicos e do Júri Final será oficializada mediante Portaria da Secretaria Municipal da Cultura, publicada no Diário Oficial de Porto Alegre (DOPA).
7. DAS ETAPAS DE INDICAÇÕES E PREMIAÇÕES
7.1 – Os vencedores do Prêmio Açorianos de Literatura serão definidos em três etapas:
a) apreciação individual das obras pelos jurados de cada categoria;
b) indicação das três obras finalistas e do vencedor em cada uma das categorias, em reunião de avaliação (presencial ou à distância) dos Júris Específicos;
c) indicação do “Livro do Ano”, pelo Júri Final, dentre os vencedores das categorias literárias, em reunião de avaliação (presencial ou à distância).
7.2 – A CLL/SMC proverá o acesso dos integrantes dos Júris aos trabalhos inscritos, bem como agendará as reuniões de avaliação e providenciará as atas para registro dos votos.
7.3 – À CLL/SMC competirá a coordenação das reuniões dos júris, através do Coordenador ou de pessoa por ele indicada.
7.4 – A decisão do Júri é soberana e alicerçada pelas justificativas registradas em ata.
7.5 – A divulgação dos vencedores será realizada no evento “Noite do Livro” (com data a ser marcada para o 1º semestre de 2018). Após o evento, os resultados serão publicados no Diário Oficial de Porto Alegre (DOPA).
7.6 – Conforme disponibilidade de orçamento, os autores das obras vencedoras em cada categoria poderão receber troféus criados pelo artista plástico Xico Stockinger. Nesse caso, as despesas correrão por conta de Dotação Orçamentária a ser implementada em 2018.
8. DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Os critérios de avaliação serão os seguintes:
I – Qualidade literária: atributos estéticos que configurem a excelência dos elementos constitutivos da obra;
II – Criatividade e Originalidade: utilização singular na escolha da temática, concepção e organização literárias;
III – Rigor Técnico: domínio das técnicas de escrita apresentadas na obra;
IV – Coerência de linguagem: escolhas e adequação dos elementos constitutivos da obra em consonância com sua categoria.
9. DISPOSIÇÕES GERAIS
9.1 – Casos omissos serão resolvidos pela Coordenação do Livro e Literatura/SMC, observada a legislação pertinente.
9.2 – Este Regulamento poderá ser readequado anualmente, com base em avaliação pela comissão organizadora e sugestões recebidas na edição anterior.
9.3 – Por se tratar de concurso público, qualquer pessoa interessada poderá pedir vistas ao processo de premiação, por meio de requerimento de acesso às atas das reuniões, encaminhado por escrito à Coordenação do Livro e Literatura/SMC, após a divulgação dos resultados finais.
9.4 – O presente Edital poderá ser impugnado, nos termos do art. 41, parágrafo 1º da Lei 8.666/93, em até 5 (cinco) dias úteis antes da abertura das inscrições. Pedidos com essa finalidade deverão ser registrados no Protocolo Central da Prefeitura Municipal de Porto Alegre (Rua Sete de Setembro 1123 / 2º andar, Centro Histórico – telefone 51-3289-1372).
9.5 – O calendário do Prêmio será divulgado anualmente para os órgãos participantes, imprensa e instituições pertinentes.
9.6 – Para maiores informações e esclarecimento de dúvidas, entrar em contato com a Coordenação do Livro e Literatura, através dos telefones (51) 3289.8070 e 3289.8071, do e-mail: cll@smc.prefpoa.com.br ou da página no Facebook Coordenação do Livro https://www.facebook.com/cllpoa/. Horário de atendimento: das 14h às 18h, de segundas a sextas-feiras (exceto feriados).
Porto Alegre, 24 de julho de 2017.

9 de agosto de 2017

79 anos da Chico Lisboa e aberturas das Exposições Malleus Sensível e Mesa de Arte na Praça





Exposição Coletiva Malleus Sensível e Mesa de Arte na Praça,
na Chico Lisboa Espaço Cultural

                              A Associação Chico Lisboa, em comemoração aos seus 79 anos, neste 09 agosto quarta-feira, abrirá às 19 horas, na Chico Lisboa Espaço Cultural, as exposições Malleus Sensível e Mesa de Arte na Praça. 

                Participam da mostra Malleus Sensível as artistas visuais Lia Braga e Neide C Pinto, que exploram materiais próximos, ultrapassam o discurso de gênero e investigam o têxtil enquanto materialidade autônoma. Lia Braga faz uso do crochê ao criar objetos situados entre o animal e o vegetal, e Neide C Pinto se dedica a uma taxionomia afetiva do reino vegetal.­­­­
Mesa de Arte na Praça, evento criado por um grupo de artistas de Novo Hamburgo/RS, com a ideia de divulgar e levar arte a um público menos acostumado a ela, conversando informalmente sobre artistas e técnicas com as pessoas que transitam pelas praças da cidade. Os trabalhos de mais de 100 artistas da região são impressos em folhas A3, pendurados em varais e distribuídos ao público no final do evento. Nenhum artista paga para participar e nenhuma imagem é vendida! O evento já está na sua 5° edição, aqui na Chico Lisboa, e tem caráter totalmente cultural e democrático: levar a arte onde o povo está!

                As mostras ficam em cartaz até o dia 02 de outubro de 2017, de segundas as sextas, das 14h às 18h, na Travessa Venezianos, 19, Cidade Baixa. Entrada franca.

_______________

Contate a secretaria para o pagamento da anuidade 2017 e solicitação do cartão do sócio.

Edital com inscrições abertas veja no site www.chicolisboa.com.br

O sócio pode solicitar a divulgação da sua exposição ou evento, no facebock da Associação, enviando o convite com mais de 07 dias de antecedência. O mesmo deve conter a logo da Chico Lisboa.

Associação Chico Lisboa
Travessa Venezianos, 19 - Cidade Baixa
Porto Alegre/RS - Brasil, CEP 90050-370
De segunda a sexta-feira, das 14h às 18h
(51) 3224.6678
chicolisboa@chicolisboa.com.br
www.chicolisboa.com.br
blog: chicolisboa.com.br/2016/
www.facebook.com/associacaochicolisboa
twitter: @chicolisboaarte
instagram: @chicolisboaarte
__________________________________
 
Agenda de exposições da Chico Lisboa
Próximas aberturas:

Na sede da Chico Lisboa
Dia 09 de agosto a Chico Lisboa completará 79 anos e este é um convite para você vir brindar mais este aniversário e também as aberturas das Exposições Malleus Sensível e Mesa de Arte na Praça, a partir das 19h. Visitação até 02 de outubro. Entrada franca.

No Sesc RS Centro
Dia 14 de agosto de 2017 abre a Exposição Fotografia Todo o Tempo - Edição Convidadas, das 18h às 20h. Visitação de 15 de agosto a 14 de setembro. Av. Alberto Bins, 665, Porto Alegre/RS. Entrada franca.

Na UCS Caxias do Sul
Dia 05 de setembro abre V Mostra de Arte em Pequenos Formatos Arte na Lata, às 19h40min, na Galeria de Arte do Campus 8 da Universidade de Caxias do SulVisitação até 25 de setembro de 2017. Entrada franca.

Feira de Arte 20x20³ e Outros Formatos - venda de obras de arte permanente, com valores de ocasião.